Em uma de suas viagens pelo mundo, ele trouxe três pares de brincos de Lima no Peru. Um para mim, um para a mãe dele e outro para a irmã. Entre nossas tantas conversas pelo whatsApp ele me enviou uma foto mostrando os lindos e delicados pingentes. Eles possuíam três cores diferentes: azul, verde e lilás. Tinham uma forma circular e bem no meio um espiral, que mesclava suas respectivas cores com a prata 950, 95% prata e 5% outros metais, quase prata pura. Os brincos eram lindos e delicados, ainda acompanhava uma embalagem bem característica do Peru com suas cores vibrantes.

Receber uma lembrança de alguém é sempre muito gratificante.

Publicidade
Publicidade

Arrisco-me até a dizer que uma pequena lembrança tem mais valia que um presente mais caro. Nela está contida a delicadeza, o carinho e a lisura de quem lembrou de você, sem contar que ela sempre traz um significado importante.

Logo que ele me enviou a foto não pensei duas vezes e disse:

- Guarda o lilás para mim, amo lilás.

Desde criança sempre gostei da cor lilás, minha mãe costuma contar uma história que quando estava grávida de mim enjoou justamente a cor lilás. Acho uma cor extramente sutil, convidativa e misteriosa.

Depois do meu pedido ele também não hesitou em me responder, dizendo:

- Não vou guardar você não está aqui para escolher, se estivesse...

Ler aquela mensagem me deixou demasiadamente triste e enfurecida ao mesmo tempo, mas no meu íntimo eu sabia que por trás daquela resposta estava a dor da #Distância.

Publicidade

Intrinsecamente ligadas. Claro que isso também não lhe excluía a culpa de me machucar falando daquela maneira e colocando sobre mim toda a carga e responsabilidade de não poder estar perto. A culpa não era minha, nem dele, era simplesmente uma injustiça da vida, mas sentimos a necessidade de sempre culpar alguém e geralmente são pessoas que amamos.

Confesso que me senti um pouco culpada por aparentemente ter desistido tão rápido de ficar do lado dele na primeira maré de dificuldades, mas eu me orgulho pelas tentativas e planos que fiz para nós. A essa altura já o tinha perdoado pela mensagem maldosa, porque eu mais do que ninguém bebia da mesma fonte e conhecia essa dor da saudade.

No final perdi os brincos, o par lilás foi o primeiro a ser escolhido segundo ele, talvez fosse o mais bonito mesmo, eu não tinha dúvidas. Mas o que é perder um par de brincos pra quem já tinha perdido a oportunidade de estar do lado de quem realmente gosta.

"A dor da distância é uma tremenda injustiça da vida, mas como a gente não pode culpar a vida culpamos quem a gente ama". #amor #crônica