"Quando viram minhas telas, todos acharam-nas feias, dantescas, e todos ficaram tristes, não eram os santinhos dos colégios. Guardei as telas."

Com essa frase, a pintora brasileira Anita Malfatti respondeu aos críticos de suas obras, entre eles, o escritor Monteiro Lobato, após a exposição organizada pela artista em 1917. A crítica do escritor causou uma forte depressão na artista e marcou sua carreira para o resto de sua vida

Nascida em 1889, em São Paulo, Anita Malfatti foi uma pintora, gravadora, desenhista e professora. Era segunda filha do casal Samuele Malfatti e Eleonora Elizabeth "Betty" Krug, nascendo com atrofia no braço e na mão direita, sendo necessário carregar essa deficiência pelo resto da vida, pois os tratamentos médicos não foram suficientes para curá-la.

Publicidade
Publicidade

Incentivada pela família, principalmente por sua mãe, que era professora de idiomas e de pintura, desde cedo teve contato com artistas e intelectuais da Europa e dos Estados unidos, onde aprimorou seus estudos de #Arte e se afastou dos padrões acadêmicos vigentes no Brasil.

Entre os períodos de maior produção artística de Anita Malfatti, destaca-se a sua estadia nos Estados Unidos, enquanto estudou sob a orientação do filósofo e pintor Homer Boss, na Independent School of Art. A artista isolou-se em uma ilha de pescadores na Costa do Maine, onde viveu com outros pintores e produziu o quadro "Rochedos", inspirado na Monhegan Island, nome da ilha em que permaneceu.

Suas experiências estéticas inovadoras trazidas do estrangeiro atraíram escritores e artistas, aos quais ela se reuniu para organizar a Semana de Arte Moderna de 1922, em que expôs 22 de seus trabalhos.

Publicidade

A artista morreu em 1964, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e está sepultada no Cemitério dos Protestantes, na Rua Sergipe, número 117, bairro da Consolação, São Paulo. Suas obras marcaram época e atualmente possuem um importante papel na história da arte brasileira, porque, apesar das constantes críticas de Lobato em 1917, após uma de suas exposições individuais, Malfatti ilustrou seus livros e permaneceu viva através de suas obras, que estavam tão à frente do tempo de artistas incapazes de compreender as influências estrangeiras que a pintora mantinha, tornando-a o estopim da vanguarda do modernismo brasileiro.

"Os objetos se acusam só quando saem da sombra, isto é, quando envolvidos na luz" - Anita Malfatti #Cultura #AnitaMalfatti