A saga de uma adolescente judia, num minucioso relato da perseguição nazista àqueles cidadãos comuns. Em momento raro para a cena alagoana, o Cena Livre reapresenta no Teatro Deodoro, em Maceió (AL), em sessão única, nesta sexta feira (28), às 20 horas, sua interpretação para o diário da jovem alemã que pereceu nos campos de concentração durante a 2ª Grande Guerra.

O grupo notabilizou-se pela busca do aprimoramento da interpretação dos seus atores e coloca no palco seu enfoque nas relações humanas, enfatizando aspectos conflituosos que a autora revela em seu diário. A montagem do grupo quer provocar no público indagação do porque das guerras.

Publicidade
Publicidade

A personagem-título questiona no final do espetáculo: “Para que serve a guerra?”

O ‘’Diário de #anne frank’’ é um clássico da literatura universal. Reconstitui o dia a dia de oito pessoas isoladas do mundo à espera por dias melhores. A autora terminou por retratar aspectos profundos das relações humanas, assim como seus anseios e inquietações típicas de uma adolescente de sua época.

Filha de uma família tipicamente judia da Alemanha pré-nazista, ela conta em detalhes o que era viver escondido durante aquela ocupação e a “limpeza étnica” na Holanda. Mostras quão catastróficos são as consequências do ódio.

Anne Frank é uma jovem inteligente, viva, idealista, extremamente sensível e crítica. Possui a habilidade de confrontar com honestidade, determinação e esperança as vertiginosas mudanças de sua vida e o imenso horror de seu tempo.

Publicidade

Mesmo o mundo caindo aos pedaços, ela afirmava: “Apesar de tudo, eu ainda acredito na bondade humana”.

Anne Frank é uma personagem cativante. Capaz de estabelecer uma profunda e direta identificação com a plateia. Seu diário, escrito durante os dois anos que estiveram escondidos, já foi traduzido para mais de 60 idiomas e publicado em mais de 100 países.

Como o 'anexo secreto' é representado no palco

O centro do palco ganhou uma grande estrela de David, demarcada no piso com fita amarela. Cada ponta da estrela representa um cômodo e um dos pontos, num plano mais alto, um sótão, dentro de outro sótão. O centro da estrela é a sala, onde transcorre a maioria das cenas.

Os atores quase não saem de cena, com exceção de Miep, personagem que traz alimentos e informações, sempre com o risco de ser presa. O estreitamento do espaço, com a falta total de liberdade, cria uma atmosfera claustrofóbica.

As camas dos personagens, nesta montagem, são posicionadas na vertical, sugerem uma estética não-realista.

Publicidade

Causa estranhamento e desconforto aos personagens pelas mal dormidas noites. Cama de um lado e do seu avesso representa guarda-roupas, com as vestimentas e chapéus pendurados.

A utilização de vídeos, com imagens de motion comics (quadrinho animado), suaviza a atmosfera tensa das cenas e, ao mesmo tempo, propicia uma empatia com o público jovem, sublinhando as indicações da guerra, com soldados e aviões explodindo.

O diálogo entre o palco e a plateia

Suscitar o debate com o público, sobretudo com os jovens, é um dos fatores de relevância nesta montagem. Nos embates mais recentes, travados nas ruas pelo Brasil afora, com os pró e contra do impeachment, uma parcela da população, no meio disso, terminou por levantar uma bandeira estranha, a volta à ditadura militar.

O passado, a história, deve vir à tona como uma poderosa arma de reflexão para não se repetir esses caminhos monstruosos que a humanidade experimentou. A leitura de ‘’O Diário de Anne Frank’’ provoca uma reflexão sobre tudo isso.

Como a inquisição luso-espanhola confinou os judeus no Nordeste

O documentário ‘’A’ Estrela Oculta do Sertão’’ revela, na sua jornada em busca dos vestígios semitas no semiárido nordestino, como um pedaço dessa história que o Brasil desconhece, ainda está presente nas famílias cristãs. São os cristãos novos.

Uma vida secreta, dúbia, enclausurada nos cômodos das casas, também se pode percebê-la através das imagens do filme. Nos séculos 18 e 19, famílias lusitanas de judeus foram obrigadas a se converterem ao cristianismo. Tentando escapar da inquisição portuguesa, muitas dessas vieram se esconder no Nordeste do Brasil. #diario de anne frank #biografia de anne frank