Não dá pra perder a mostra Design na aviação brasileira, no MCB (Museu da Casa Brasileira,) em São Paulo. É a primeira vez que uma exposição dessa amplitude é montada, mostrando ​a produção nacional em grande escala e protótipos de alguns inventores anônimos. ​

E quanta​ criatividade! A #Embraer convocou o arquiteto e artista p​lástico Guto Lacaz, conhecido por suas engenhocas. Ele é uma espécie de professor Pardal e gosta muito de aviação. Responsável pela criação da mostra, anteriormente, ele já tinha se debruçado sobre o assunto ao criar a exposição sobre​ Santos Dumont. ​

Conheça Guto e um pouco da indústria aeronáutica:

Assim que você entra no museu, uma incrível linha do tempo apresenta a história da aviação brasileira com modelos tridimensionais de aviões produzidos por gente que sonhava em voar bem antes do nascimento da Embraer, em 1969.

Publicidade
Publicidade

O painel percorre no tempo o desejo do homem em criar asas para voar. Desde 1709, com o balão de ar quente, desenvolvido pelo sacerdote cientista Bartolomeu Gusmão - que tinha o apelido de Padre Voador -, passando por Santos Dumont e outros inventores brasileiros. Você vai se encantar com os brinquedinhos!

O painel muda de cor, a partir do momento em que nasce a Embraer, e continua a apresentar os vários modelos fabricados até os dias de hoje. Numa sala anexa, uma experiência imersiva: através de uma projeção e um Gear VR, você entra no espaço interno de um avião militar da Embraer e brinca com a realidade virtual.

Os aficionados por aeronáutica vão conhecer de perto projetos e desenhos de aviões expostos em vitrines iluminadas, junto à imensas reproduções fotográficas.

Quem nunca viu ou entrou num avião pode subir numa escada e sentar-se numa poltrona, como se fosse embarcar numa viagem.

Publicidade

No jardim externo do museu, um avião Tucano em dimensão real e a Máquina de Voar, desenhada por Leonardo Da Vinci. Ela faz a alegria da criançada que movimenta suas asas, pisando nos pedais e sonhando em decolar.

Além de lúdica, a mostra revela o progresso e a inovação do setor e joga luz no talento de engenheiros e desenvolvedores particulares que contribuíram para a evolução tecnológica dessa indústria. Agora, o instituto busca um espaço definitivo para deixar registrada essa história e preservar a memória da Embraer.

Ela começou produzindo o avião Bandeirante, em São José dos Campos (SP), e meio século depois se transformou numa empresa exportadora.

Gratuita, a exposição permanece em cartaz até 20 de agosto. #blastingnewsVR #gutolacaz