Artistas da cidade de Paraopeba, no interior de Minas Gerais, conquistaram, na última semana, um prêmio de destaque no #Festival de Dança de Joinville, o maior festival de dança do mundo segundo a revista Guinness. O grupo se chama Cia Jovem de Paraopeba e ensaia na quadra de esportes de uma escola municipal, que gentilmente lhe empresta o espaço. Sem qualquer tipo de apoio financeiro, preparou uma coreografia a respeito dos conflitos na Síria e conquistou o 1º lugar na categoria Sênior/Conjunto/#Dança Contemporânea. E esta não foi a primeira vez que o grupo recebeu alguma premiação no Festival de Joinville.

Dirigida por Alan Keller, a Cia Jovem se encontra diariamente na escola municipal, cobre o piso irregular da quadra de esportes com faixas de linóleo, ensaia e volta a enrolar as faixas para guardá-las no segundo andar do prédio.

Publicidade
Publicidade

Tudo feito pelos próprios bailarinos, que usam banheiros como vestiários. A quadra não têm parede fechando um dos lados e está longe de ser ideal para a atividade, mas não faz esfriar os ânimos do grupo nem sua vontade de dançar.

A cidade de Paraopeba, sede da companhia, fica a cerca de 100 km da capital, Belo Horizonte, e tem pouco mais de 20 mil habitantes. Não tem programas de fomento à produção artística, mas este ano emprestou o ônibus que levou os 25 bailarinos até Joinville, em Santa Catarina, por 21 horas de viagem.

A coreografia vencedora se chama ‘Amal, palavra em árabe que significa “esperança”. O diretor, Alan Keller, diz que ela surgiu de uma comoção diante dos apelos da menina Bana Alabed, de Aleppo, por conta do conflito sírio. Para ele, a conquista no Festival também é um caminho para a esperança, pois servirá para avançar no processo de convencimento da população de Paraopeba de que seu trabalho é digno de atenção e apoio.

Publicidade

Maior festival de dança do mundo

Em sua primeira edição, em 1983, o Festival de Dança de Joinville reuniu cerca de 600 estudantes de dança, distribuídos por 40 grupos, para cinco dias de apresentação no prédio da Sociedade Harmonia Lyra, uma construção histórica localizada no centro da cidade. De lá para cá, esses números cresceram tanto que desde 2005 o Festival é citado pelo Guinness Book como o maior festival de dança do mundo em número de participantes. Só este ano foram 7.800, entre dançarinos, professores, estudantes, profissionais e convidados.

Os doze dias de apresentações desta 35ª edição do Festival contou com mais de 1.500 coreografias divididas em várias categorias e espalhadas em diversos espaços da cidade. Além de Dança Contemporânea, outros estilos representados no Festival são o balé clássico e o neoclássico, as danças populares, danças urbanas, jazz e sapateado.

A cidade de Joinville é considerada Capital Nacional da Dança e desde o ano 2000 abriga a única filial da tradicional escola de dança Bolshoi, de Moscou, fora do seu país de origem.