O comediante #Jerry Lewis faleceu no domingo, dia 20 de agosto de 2017, aos 91 anos. Conhecido como "o rei da comédia", Jerry era um dos atores mais queridos da história do cinema. Sua morte foi anunciada pela revista de entretenimento "Variety".

Nascido Joseph Levitch, ele nasceu em Nova York, em 16 de março de 1926. Filho de judeus russos, ele começou a se apresentar aos cinco anos de idade, com o nome de Jey Lewis, sua mãe Rachel "Rae" Brodsky era pianista em uma rádio. Em 1946, Jerry foi contratado por uma boate para fazer parceria com um cantor galã, com quem faria uma famosa dupla nas telas: Dean Martin.

No número, Martin cantava, enquanto Jerry, vestido de garçom, derrubava pratos e atrapalhava a apresentação do colega, arrancando gargalhadas dos clientes que jantavam na casa noturna.

Publicidade
Publicidade

A dupla fez tanto sucesso que ganhou um programa de rádio, e posteriormente um programa de televisão. Com Martin, ele estreou no cinema em "A Amiga da Onça" (My Friend Irma, 1949). Ao todo, a dupla fez 18 filmes juntos, incluindo "Morrendo de Medo" (Scared Stiff, 1953), com a brasileira Carmen Miranda [VIDEO], em seu último filme.

A dupla se separou em 1953, e Lewis tornou-se um astro da comédia em filmes solos, como "O Mensageiro Trapalhão" (The Bellboy, 1960), "O Professor Aloprado [VIDEO]" (The Nutty Professor, 1963) e "Bagunceiro Arrumadinho" (The Disorderly Orderly, 1964). Em 1982, surpreendeu o mundo em um papel sério no filme "O Rei da Comédia" (The King of Comedy, 1982) de Martin Scorsese.

Em 1966, ele criou o "Telethon", cujo objetivo era arrecadar fundos para pesquisa e tratamento para crianças com distrofia muscular, doença da qual seu filho sofria.

Publicidade

Jerry dizia que ele tinha condições de arcar com as despesas do filho, mas se solidarizava com as famílias que não possuíam os mesmos recursos. Em 1998, o ator cedeu os direitos do programa para o apresentador Silvio Santos fazer um programa similar no Brasil, para arrecadar verba para os trabalhos da AACD.

Jerry Lewis também foi diretor de cinema, e na década de setenta dirigiu um drama sobre o holocausto. Porém, o filme foi considerado demasiadamente triste, e o projeto foi abandonado. O comediante não gostava de falar a respeito da obra, que está perdida atualmente.

Ainda em atividade, seu último filme foi "A Sacada" (The trust, 2016). Em 2013, atuou em uma participação especial na comédia brasileira "Até Que A Morte Nos Separe 2" (2013), estrelada por Leandro Hassum.

#Obituário