Quem nasceu nós anos 1990 para cá, por desinformação, pode até estranhar alguém falar #rap de direita, sendo a maioria dos artistas do hip-hop voltados à esquerda política. Pois saiba que existe, e anda cada vez mais sendo motivo de inspiração para a juventude que não se interessava por temas políticos, mas hoje debate sobre o assunto.

O responsável por isso é o jovem de 22 anos Luiz, o Visitante, nascido em um dos bairros mais pobres do Recife (PE), muitas vezes confundido como um playboy. Alguns contrários as suas ideias o chegam rotular de "rapper de condomínio". Luiz mostra, através do seu trabalho, não prezar somente o entretenimento, mas também ao bom conteúdo lírico.

Publicidade
Publicidade

Com o intuito de rebater a história do Brasil contada pelos livros do MEC (Ministério da Educação e Cultura), o rapper também defende ideias conservadoras, como a família tradicional, é contra o uso de drogas e a favor do armamento civil.

Luiz, o Visitante começou a ganhar notoriedade em 2012 pelo single Recomeço e, consequentemente, com seu álbum Recomeço, que teve mais de 12 mil cópias vendidas em formato digital em 2013. Mas só ganhou fama nacional com a canção "Bolsonaro, o Messias". Segundo pesquisa realizada pelo jornal Folha de S.Paulo, a canção em homenagem a #Jair Bolsonaro foi a mais executada durante os protestos pró-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff entre 2015 e 2016.

O músico, no final de 2016, lançou um álbum de rap exclusivamente de direita. Intitulado de "O Lado Direito", o disco homenageia personalidades como Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho, Enéas Carneiro, entre outros.

Publicidade

Em maio passado, Luiz estreou nas rádios de Recife com a música "Futuro Ex-Pobre", que contou com a participação do rapper angolano Troglobio MC e de seu produtor, também angolano, Sérgio Beatz.

Recentemente Luiz, o Visitante entrou em uma grande polêmica após lançar uma música em homenagem ao ex-chefe do DOI-Codi Carlos Alberto Brilhante Ustra. A música foi acusada de promover a tortura. Mas o curioso disso tudo é que em nenhum momento a canção cita tortura ou incentiva a violência.

Achando que com ameaças de processo calariam o rapper, O Visitante lança mais outra música em homenagem a Ustra com o titulo de "#UstraVive", e novamente causa a fúria de pessoas ligadas ao rap de esquerda com a citação "pro direita vou militar, o rap tá precisando de uma faxina".

Veja trechos da sua música recente "Super-heróis".

''Não tenho pena de quem tá no ''12'', ou preso na Febem

Eu tenho pena de quem 'trampa' e ainda estuda pro Enem

Fiz esse rap no oposto de tudo que já ouvi

E que os criminosos se exterminem entre si

Ladrão que rouba ladrão, tenha 100 anos de perdão

Bandido que mata bandido: 100 anos de gratidão''. #Luiz o Visitante