Publicidade
Publicidade

O que era para ser apenas uma performance artística acabou se transformando em uma pequena confusão na cidade de Caxias do Sul, na serra gaúcha, na manhã do último sábado (28).

O bailarino Igor Cavalcante Medina, do Rio de Janeiro, foi abordado, sedado e colocado em uma camisa de força, após uma de suas performances ser confundida com um surto psicótico.

Agentes da Guarda Municipal e funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU, abordaram e sedaram o artista, que vestia apenas uma sunga preta e tinha arame farpado enrolado em seu corpo. Tudo isso, é claro, era parte da apresentação do artista, batizada de ''Fim'', que fazia parte da 8ª edição do Caxias em Movimento, evento cultural já bastante tradicional na cidade.

Publicidade

O incidente ocorreu na Praça João Pessoa. Em vídeos de uma rede de televisão local, a RBS TV, é possível ver o artista sendo cercado pelos agentes da Guarda Municipal. Na primeira gravação, um deles já segura uma das mãos do artista, enquanto os outros estão à frente de Igor, um deles falando ao telefone. Já na segunda filmagem, uma ambulância aparece ao fundo da cena. É quando dois funcionários do SAMU chegam perto do bailarino; um homem empurra uma maca, enquanto uma mulher se aproxima com uma camisa de força.

Veja abaixo o momento em que os policiais abordam o bailarino:

Até o momento, o bailarino seguia normalmente com a performance, até perceber o que estava acontecendo. Neste momento, ele se recusa a ir com os guardas municipais e com os funcionários do SAMU. Ele pede que os funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência tirem as mãos dele, e diz que fará uma reportagem.

Publicidade

''Por que vocês estão fazendo isso comigo?'', indagou.

O diretor da Guarda Municipal, Igor Rauber, disse em entrevista à RBS TV que os policiais agiram de forma correta:

''O rapaz estava gritando, com aquilo tudo em volta do corpo. Imagina se a gente deixa ele sozinho e acontece o suicídio?'', disse ele, ao afirmar que a equipe lidou com a performance como se deve lidar em casos de surto psicótico. Rauber, no entanto, criticou o fato de que a Guarda Municipal não teria sido avisada, em nenhum momento, de que uma apresentação deste tipo ocorreria na praça.

A equipe de reportagem do G1 disse que tentou entrar em contato com o artista após o ocorrido, mas que não obteve sucesso. Já a rede RBS TV afirma ter recebido uma informação de que o artista já teria deixado Caxias do Sul.

A equipe do G1 afirmou ainda que tentou contato com as secretarias da Saúde e da Cultura, e também com a Companhia Municipal de Dança, no entanto, todos os órgãos declararam que só irão manifestar-se através da Prefeitura da cidade. #Bizarro #Arte