A #Música de Rafael Ops dificilmente estará entre as mais tocadas nas rádios brasileiras, mas o clipe postado no Youtube receberá muitas visualizações por conta de uma cena polêmica: o cantor lava uma Bíblia.

Em entrevista à coluna IstoÉ Música, o cantor se justificou dizendo que é uma crítica à hipocrisia cristã de quem usa a fé para enriquecer ou para promover discurso de ódio.

"Não é uma crítica à religião, mas a quem usa a religião para enriquecimento pessoal ou para propagar discursos de ódio e intolerância – justamente o oposto do que prega o protagonista do livro”, afirmou.

De dentro da Bíblia o cantor tira fotografias de políticos polêmicos como os deputados federais Jair #bolsonaro e Marco Feliciano e de líderes religiosos como o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus.

Publicidade
Publicidade

Enriquecimento e discurso de ódio

Entre as figuras que o cantor expõe no vídeo temos os parlamentares que fazem parte da área conservadora do Congresso Nacional. Frentes como a Bancada da Bíblia que barram projetos de lei em favor de grupo como o movimento LGBT.

Para muitos, a Frente Parlamentar Evangélica age reforçando preconceitos que levam homossexuais a viverem com medo ou presos em "armários". O cantor mostra a imagem de Marco Feliciano, um dos principais representantes da bancada evangélica que tem em seu discurso duras críticas ao movimento LGBT que o considera um inimigo.

O mesmo acontece com Jair Bolsonaro, católico, pré-candidato à Presidência em 2018 [VIDEO]. Bolsonaro também é inimigo da causa gay por ter se levantado contra o chamado "kit gay", material escolar que seria distribuído nas escolas para evitar preconceitos contra homossexuais.

Publicidade

Por diversas vezes o parlamentar precisou declarar que não é contra gays, mas sim contra o material que seria distribuído para crianças de 5, 6 anos de idade como era a proposta do projeto do MEC. Mesmo assim, Bolsonaro tem enfrentado a ira do movimento que tem cada vez mais simpatizantes.

Edir Macedo recebe críticas por outro motivo: sua denominação arrecada milhões com a doação de dízimos e ofertas dos fiéis. A revista Forbes chegou a declarar que ele é o pastor mais rico do Brasil, ficando na frente de nomes como Silas Malafaia, R.R. Soares, Valdemiro Santiago e do casal Estevam e Sônia Hernandes.

O fundador da maior denominação neopentecostal do mundo tem muitos inimigos por conta desses pedidos excessivos de oferta. Com esses valores arrecadados, Macedo mantém uma vida luxuosa, além de se manter dono da Rede Record, uma das principais emissoras do país.

Assista:

#evangelicos