Publicidade
Publicidade

O cantor e compositor Paul McCartney ganhou notoriedade mundial ao integrar a banda britânica The Beatles nos anos 1960, ao lado de John Lennon, Ringo e George Harrison. Não dá para negar a influência e comoção que o surgimento da banda de rock causou em todo o mundo com suas canções, danças e trejeitos marcantes.

Entre os destaques da banda, estava a parceria Lennon-McCartney, que deixou ainda mais visível o talento de ambos. Talento esse que pôde ser visto também quando a banda acabou e Paul a carreira seguiu sem seus antigos parceiros lançando-se num sucesso constante. Seja na Wings, banda a qual formou com a sua até então esposa, Linda McCartney, ou mesmo em solo, McCartney nunca deixou de brilhar.

Publicidade

Em 1979, Paul foi nomeado pelo Guinness Book of Records como o compositor de maior sucesso de todos os tempos. Não era de se esperar menos, tendo em vista toda a sua inquietação musical que transita pela rock, synthpop, #Música clássica, eletrônica e trilhas sonoras, criando, assim, uma vasta obra. Foi também eleito o 11º melhor cantor de todos os tempos pela revista Rolling Stone e ostenta o título de "Sir", honraria que lhe foi concedida pela Rainha Elizabeth em 1997. O baixista mais famoso da história mundial do rock, ainda toca outros instrumentos como bateria, piano, guitarra e teclado.

E agora, a façanha e performance que atravessa gerações, pode ser vista em solo brasileiro, ao vivo e a cores. Isso porque o ex-Beatle está mais uma vez no país, na turnê One on one, que teve início ainda em 2016 e finalmente chega ao Brasil.

Publicidade

Já houver shows em Porto Alegre e em São Paulo, onde o incansável cantor mostrou mais uma vez por que é considerado o maior artista vivo. Com belos shows que duram mais de três horas ininterruptas – algo raro com artistas nacionais, quiçá internacionais –, o cantor se mostra totalmente à vontade no país e também com o peso da idade.

No repertório, Paul divide o material de sucesso advindo do seu ex-grupo, Os Beatles, algumas canções dos Wings e, claro, da sua carreira solo. O script segue o modelo de outras passagens dele aqui, como o velho cumprimento ao público e outras falas ao longo do show em bom e claro português. É preciso, ainda, ressaltar a bela estrutura de palco, músicos e show, que torna tudo ainda mais impecável.

Belo Horizonte-MG é o próximo destino e o músico deve encerrar suas apresentações por aqui na capital baiana, Salvador, na próxima sexta, dia 20. #turnê