Vários espetáculos teatrais estão sendo inaugurados este final de semana no Rio de Janeiro. Até aí, nada demais, se não fosse toda polêmica e censura por causa da exposição de artistas sem roupas nas amostras teatrais. De repente, parece que descobriu-se que a arte agora deve estar despida de qualquer preconceito. Mesmo que as pessoas gritem: "cubram-se", "vistam-se", de nada adiantou; as roupas continuaram caindo.

A polêmica toda começou em setembro, quando o exposição "Queermuseu", exibindo obras voltadas para o tema LGBT, foi proibida na terra dos 'pampas', Rio Grande do Sul. Vale lembrar que havia obras de renomados, como Cândido Portinari e Alfredo Volpi.

Publicidade
Publicidade

Outra grande polêmica aconteceu no MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo), onde um artista deitado e completamente sem as roupas era apalpado pelas pessoas, incluindo uma criança de 5 anos. A revolta foi geral e o Brasil gritou que tudo não passava de "erotização infantil".

Espera-se novo embate neste sábado (4), com a inauguração da mostra "O pau na mesa", no Santo Cristo. Na opinião do curador da exposição, Lula Duffraier, o brasileiro pode até parecer moderno, mas não é tanto assim. E diz que para ele o mais chocante de tudo isso é o ódio que há por trás das palavras.

Cautelosos, os produtores da peça "Vidas Secas", na qual bonecos vão aparecer sem as roupas, preferiram alterar a classificação indicativa para evitar mais polêmica. E num ato de indignação, o ator Armando Babaioff pergunta às pessoas se elas sabem por onde nasceram? Ele volta a encenar a peça "Tom na Fazenda", na qual aparece totalmente livre do vestuário.

Publicidade

Confira alguns dos espetáculos na cidade carioca

- Museu Nacional de Belas-Artes

O local reúne diversos pintores e escultores famosos no maior acervo de arte desde o século 19, todos amantes da beleza em seu natural. São quase mil itens entre quadros, gravuras e livros, incluindo a galeria de moldagens, reproduzindo imagens gregas.

- Vera Fisher se entrega aos palcos

A veterana atriz está de volta aos palcos brasileiros com o drama "O doce pássaro da Juventude", mostrando uma mulher que não se conforma em envelhecer. Lá, Fisher tem 65 anos e parece muito bem resolvida. A personagem vai se envolver com um gigolô, que vai mostrar toda sua juventude para quem quiser ver.

- Bonecos com precaução

O espetáculo "Vidas Secas" mostra bonecos sem vestimentas e por isso, todo cuidado foi tomado para não ferir a imaginação do telespectador. A obra é adaptada do autor Graciliano Ramos. Vale conferir. #nudez #Rio Cultura