Publicidade
Publicidade

Já tem alguns anos que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas não exibe mais a entrega do #Oscar pelo conjunto da obra na cerimônia de premiação ocorrida todos os anos em fevereiro. Os vencedores dos prêmios pela carreira são agraciados meses antes, em uma cerimônia discreta, e citados durante a premiação máxima do cinema norte-americano, o que tem entristecido muitos fãs que não puderam assistir aos grandes ídolos do passado como Angela Lansburry ou Maureen O'Hara recebendo tal honraria.

Na noite de sábado (11), foi realizada a cerimônia de premiação dos homenageados deste ano. O ator canadense Donald Sutherland, astro de filmes como M.A.S.H. (Idem, 1970) e Klute, o Passado Condena [VIDEO] (Klute, 1971), enfim, recebeu tal premiação.

Publicidade

Aos 82 anos, e com uma carreira de mais de 55 anos, nunca sequer havia sido indicado ao Oscar. Ao agradecer o prêmio, o ator brincou que a única vez que tinha chego tão perto da estatueta foi quando certa vez entregou um durante a cerimônia do Oscar em 1989.

O cineasta Charles Burnett, conhecido por seus documentários e filmes alternativos, foi outro agraciado da noite. Aos 73 anos, Burnett já foi considerado um dos melhores cineastas da América pelo jornal Chicago Tribune. Entre seus trabalhos destacam-se os filmes Não Durma Nervoso (To Sleep with Anger, 1990) e Conspiração Policial (The Glass Shield, 1994).

O diretor de fotografia Owen Roizman também recebeu um Oscar.

Publicidade

Aos 81 anos, Roizman foi indicado ao prêmio cinco vezes, mas nunca havia vencido nenhum. Ele foi indicado ao Oscar pelos filmes Operação França (The French Connection, 1971), Rede de Intrigas (Network, 1976), O Exorcista (The Exorcist, 1973), Tootsie (Idem, 1982) e Wyatt Earp (Idem, 1994).

Vencedor de Oscar de Melhor Diretor de 2016 por O Regresso [VIDEO] (The Revenant, 2015), o cineasta mexicano Alejandro González Iñárritu também recebeu um prêmio especial nesta noite pelo seu trabalho no curta-metragem Carne y Arena (2017). A Acadêmia não concedia um prêmio como este desde que agraciou a animação Toy Story (Idem, 1992).

Encerrando a noite, Angelina Jolie entregou o prêmio pelo conjunto da obra para a cineasta belga Agnès Varda, que recebeu o prêmio aos 89 anos de idade.

Publicidade

Varda, conhecida por sua obra de cunho político, tem uma carreira de mais de 60 anos e já recebeu inúmeros prêmios por seu trabalho em festivais pelo mundo todo, mas nunca havia sido indicada ao Oscar. A diretora de obras como Cléo das 5 as 7 (Cléo de 5 à 7, 1962), As Duas Faces da Felicidade (Le Bonheur, 1995), e As Cento e Uma Noites (Les Cent et UneNuits de Simon Cinéma, 1995) agradeceu o prêmio, mas criticou a separação da premiação da noite principal, dizendo que esta era a premiação do "Oscar dos pobres", sendo muito aplaudida pelos convidados presentes na discreta cerimônia.

#Hollywood