Há vantagens em ter um traseiro bem desenvolvido, especialmente no país em que a parte posterior da anatomia feminina é a “preferência nacional”, mas também há desvantagens. Com suas vantagens e desvantagens, ter uma grande derrière é uma experiência sui generis e há coisas que só quem conhece a situação na pele realmente entende.

1 – Em boa parte das ocasiões, seu traseiro se destaca mais do que o resto de você

O traseiro bem desenvolvido acaba se destacando – às vezes, quando não gostaríamos que isso acontecesse. Isso pode contribuir para a objetificação sexual da pessoa que carrega o volumoso 'fardo', como se, em vez de ser um ser humano (com cérebro, ideias, ideais, princípios, habilidades e direito a voz), que possui um traseiro - como todo mundo -, fosse um traseiro que possui um ser humano, um mero detalhe, agregado.

2 – Cadeiras podem ser armadilhas mortais

Itens produzidos em massa, como cadeiras por exemplo, são feitos com a média da população em mente. Assim sendo, aqueles que têm glúteos bem acima da média podem ter dificuldades para achar um assento confortável, onde sua grandeza caiba com a folga necessária na entrada e, mais importante ainda, na saída. E, como dizia o escritor Fernando Sabino, nunca entre em um lugar sem saber como vai sair de lá depois.

3 – Cofrinho de fora é quase inevitável

O tamanho do traseiro acaba fazendo com que, na maioria das vezes, o #Bumbum fique apertadinho nas calças, o que, por sua vez, significa que agachar-se ou sentar-se pode acabar revelando o cofrinho. Os engraçadinhos costumam ser implacáveis na gozação quando isso acontece.

4 – Bullying

A gozação, da qual os apelidos (você sabe: Tanajura, Raimunda, etc.) são parte proeminente, são provavelmente o maior martírio das pessoas bem dotadas na região posterior – especialmente, na infância e na adolescência, quando a opinião dos pares importa mais, o indivíduo tem menos referências fora do seu grupinho e as pessoas ainda não absorveram as normas sociais de respeito e civilidade – ou pelo menos de hipocrisia. Depois disso, a maldade fica mais discreta, velada, murmurante.

Às vezes, no entanto, o futuro reserva grandes e agradáveis surpresas. Kate, vencedora do concurso “Best Bums” (“Melhores Bumbuns”) da tradicionalíssima Universidade de Oxford, Reino Unido, em 2015. A estudante de Ciências Naturais do King’s College declarou na época de sua vitória: “Na escola, quando todo mundo queria ser tão magro quanto possível, isso (ter um traseiro generosamente dotado pela natureza) nunca foi bom. As pessoas simplesmente me chamavam de corpulenta e eu não conseguia achar jeans que servissem em mim, mas agora graças a Nicki Minaj, J-Lo (Jennifer Lopez) e Kim Kardashian, de repente meu traseiro está na moda.”