Jan Day, que ministra um workshop (seminário ou curso intensivo) de cinco dias chamado Passion, Power & Love (Paixão, Poder & Amor) escreveu um artigo, publicado pelo jornal britânico The Sun, no qual listou tipos de pensamentos que devem ser evitados durante as relações íntimas e como combatê-los.

Se você se pega pensando entendiado (a) que a coisa toda está levando tempo demais e vocês já deveriam ter acabado, você deve conversar com o companheiro e explicar a ele ou ela do que você gosta na cama. Fingir estar gostando das relações provavelmente só fará o problema durar mais. O especialista diz ainda que a masturbação pode ser um jeito de aprender sobre a própria sexualidade.

Preocupações exteriores à relação sexual como as ligadas ao trabalho, por exemplo, são comuns. Afinal, elas fazem parte da vida da pessoa e não há nenhuma razão para acreditar que a lembrança de tarefas a fazer, contas a pagar, problemas a resolver aceite respeitar rigorosamente o tempo todo as fronteiras delimitadas pelo colchão. É preciso tato, entretanto: a não ser que o assunto seja tão importante e urgente que deva ser resolvido na hora (ou pelo menos exija que se tome alguma medida na hora, como anotar uma ideia ou uma tarefa para ser realizada depois), o ideal é ignorar o pensamento invasor e continuar a relação. Revelar ao parceiro o que tinha em mente pode magoá-lo, pois ele pode vê-lo como indício de que você não está imerso e engajado no momento enquanto ele está se esforçando para que vocês dois possam ter prazer.

Insegurança quanto à própria aparência, especialmente das partes íntimas, é comum na cama, diz o especialista. No entanto, afirma ele, é improvável que o parceiro esteja pensando nisso durante a relação. Ignorar esses pensamentos tanto quanto possível e se entregar ao momento são o que deve ser feito.

A ideia de que o #sexo é sujo e impuro é outra fonte de pensamentos que podem atormentar a prática sexual e devem ser varridos da mente. O sexo, diz Jan Day, é para o mútuo prazer dos parceiros, reduz o estresse deles e os aproxima. Aconselhamento psicológico pode ser uma ferramenta útil no combate a esses.

O medo de urinar no meio da relação é outra distração que pode prejudicar a vida sexual do casal. É muito comum entre as mulheres que elas sintam-se como se fossem urinar quando na verdade estão chegando ao orgasmo. No entanto, se a sensação é frequente e ela não está associada ao prazer, a #Mulher deve tentar esvaziar a bexiga antes das relações. Em todo caso, diz o especialista, é raro urinar durante a relação. Assim sendo, convém não exagerar na preocupação. #Curiosidade