Apesar de todo o avanço da #Medicina moderna, existem doenças muito antigas que provocam uma verdadeira onda de pavor e apreensão nas pessoas dos quatro cantos do mundo, pois têm efeito destrutivo, podendo rapidamente levar à morte de populações inteiras.

Um exemplo claro foi o que aconteceu há aproximadamente um ano, quando como que do nada, a recidiva de um surto de Ebola foi a responsável pelo extermínio de milhares de indivíduos, #Doença essa que até conseguiu ser controlada mais recentemente pela medicina, porém após muito esforço conjunto de vários países.

Conheça 5 doenças do passado que devastaram populações e não estão extintas, mas adormecidas

  • Gripe Espanhola: a terrível gripe que se transformou em epidemia no ano de 1918 ou mais especificamente ao término da Primeira Guerra Mundial, recebeu esse nome porque o rei espanhol Afonso XIII foi um dos primeiros vitimados pela doença, que ceifou mais 30 milhões de vidas, principalmente no continente europeu.

  • Tifo Epidêmico: trata-se de uma doença emblemática já que eliminou milhares de cidadãos judeus que estavam confinados nos campos de concentração nazista, inclusive a famosa menina Anne Frank. O piolho-do-corpo é o agente transmissor da patologia que se prolifera em locais com alta concentração de pessoas, em ambientes que não tenham as condições mínimas de higiene, provocando surtos de delírios nos acometidos pelo mal.

A título de curiosidade, os soldados nazistas não cortavam os cabelos das pessoas objetivando a eliminação do tifo, antes, porém, os cabelos eram reutilizados na Alemanha para propósitos, como, por exemplo, encher colchões.

  • Peste Negra: também conhecida como peste bubônica, protagonizou a mortandade de um pouco mais de 33% dos habitantes da Europa durante o período da Baixa Idade Média. Além do que, a doença funcionou como a causa raiz para acontecimentos da história, entre eles: rebeliões dos camponeses, implosão da estrutura de poder nesse período da existência humana e, por fim, a Guerra dos Cem Anos entre Inglaterra e França.

A patologia foi batizada com o nome de peste negra devido ao surgimento de manchas pretas nos corpos das vítimas, o que era acompanhado do inchaço nos seus corpos, sobretudo onde havia mais gânglios do sistema linfático, assim como a virilha.

Pulgas e ratos foram os vetores iniciais responsáveis pela proliferação da peste bubônica, que logo depois começou a se propagar por transmissão aérea. A falta de higiene e as pilhas de mortos que eram amontoadas no meio das ruas contribuíram para o agravamento do quadro patológico. #Hospital

  • Lepra: doença que foi registrada desde os tempos bíblicos antes de Cristo provocando verdadeira sensação de pavor e morbidez entre os habitantes da época. Por ser uma doença infecto-contagiosa, acomete os nervos e a pele, decompondo ossos e tecidos. Apesar da cura para a doença ter sido conquistada na década de 80, ainda hoje muitos padecem desse mal em nível mundial.
  • Tuberculose: pode ser taxada de doença dos tísicos ou poetas românticos, como o inglês Lord Byron ou o brasileiro Castro Alves, que se refugiavam em regiões classificadas de “clima bom” para obter a tão almejada cura. Por incrível que possa parecer, ainda hoje a tuberculose vitima anualmente mais pessoas do que a Aids e a Malária associadas.