Ah, as modinhas. Será que uma coisa vira moda porque todo mundo está fazendo ou todo mundo está fazendo porque virou moda? Bom, importantes questões filosóficas como essa à parte, a verdade é que algumas modinhas do mundo virtual podem até ter sido engraçadinhas no começo, mas agora já encheram a paciência e esperamos que não vivam o bastante para assistir ao raiar de 2017. Eis algumas delas:

1 – O filtro de cachorrinho do Snapchat virou moda, todo mundo quis fazer (ou todo mundo quis fazer e virou moda, como queiram) e, a essa altura do campeonato, já encheu a paciência há muito. Alguém ainda aguenta ver mulheres postando fotos com esse filtro (quando não é isso, é o infame biquinho)?

2 – O famigerado textão, certas ideias e causas até merecem textão – algumas até exigem-no para serem expressas adequadamente nas redes sociais, onde boa parte do movimento da internet está --, mas essa mania de escrever textão por qualquer motivo e, pensando bem, até sem motivo é simplesmente chatíssima.

Publicidade
Publicidade

Guarde o textão para quando tiver algo a dizer, por favor.

3 – Correntes nas redes sociais para não falar das famigeradas correntes de e-mail ou daquelas antigaças de papel mesmo, a origem dessa moda, que tomou conta do Facebook e outras redes sociais, foram aquelas correntes chatas do Orkut, lembra? Além de chatas, são inúteis, quando não são mentirosas, alarmistas ou obscurantistas. Não, você não vai morrer por ter deixado de passar adiante uma corrente (nem vai deixar de morrer quando chegar sua hora por tê-la passado adiante), você não vai para o inferno por não ter passado adiante a mensagem paranoica e embolorada de um desses pregadores de Facebook e, mesmo que dê uma curtida na mensagem, o Facebook não vai doar nada para ninguém.

4 – Facebook de casal

Poucas #coisas são tão bregas quanto Facebook de casal.

Publicidade

Qual é o problema afinal? Será que um não confia o bastante no outro para terem perfis individuais? É difícil não chegar à conclusão de que pelo menos um dos dois é um louco possessivo ou, no mínimo, um sujeito um tanto neurótico.

5 – Constantes atualizações de treinamento uma novidade: ninguém mais suporta suas fotos diárias (talvez até mais frequentes que isso) do seu treino, do seu bíceps, do seu abdomên, etc. Pior ainda se acompanhadas de frasesinhas batidas como “no pain, no gain” e outras do gênero.

6 – Comentários no Facebook em atualização de amizade: ninguém mais suporta (além dos autores das gracinhas, é claro) frases brilhantes como: “Quem perdoa é Deus” e “Quem deixa passar é catraca”. Nada contra a “zoeira”, mas que tal um pouquinho mais de criatividade? #modinha