A internet é um universo ilimitado de informações que podem ajudar milhões de pessoas ou disseminar o pânico entre a sociedade. Tudo depende da fonte difusora da informação.

Esta semana veio à tona mais um exemplo do mau uso da internet e das redes sociais com a circulação de uma notícia afirmando que a agência espacial norte-americana (Nasa) confirmou que a Terra ficará em trevas por seis dias.

Segundo a publicação, a escuridão viria antes do fim do ano, deixando mais uma marca de 2016. Entre os dias 16 e 22 tudo ficaria em penumbra, sem o brilho do astro rei.

É claro que a notícia é falsa. Afinal, já estamos no segundo dia do período citado e o sol continua a nascer e a se por nos quatro cantos do #Mundo.

Publicidade
Publicidade

Apesar do tom fantasioso, muita gente acreditou e compartilhou a publicação, ajudando a disseminar o boato.

Segundo o material reproduzido por diversos sites e replicado tanto nas redes sociais quanto no WhatsApp, a agência espacial NASA teria confirmado que apesar da ausência de luz natural, o mundo continuaria a existir normalmente. O texto explica ainda a ausência da luz solar ocorreria por conta de uma tempestade que estaria trazendo poeira e lixo espaciais para perto da atmosfera, bloqueando assim 90% dos raios solares.

Os conteúdo ainda alegou que o chefe da NASA, Charles Bolden, fez o anúncio oficial deste fenômeno. Entretanto, no site da agência espacial nunca foi publicado nada a respeito.

Os desdobramentos do boato são vários. Além de gerar muitas dúvidas em parte dos internautas, há aqueles que referendam o texto como sendo a passagem bíblica que fala que dias de escuridão se abaterão sobre a Terra, como um prenúncio de que o fim dos tempos está próximo.

Publicidade

Há dois anos essa mesma história circulou na web. Na época o site Boatos, especializado em checar rumores e notícias, desmascarou toda a lenda. Na ocasião, o primeiro site a publicar a falta notícia foi o Huzlers, dois anos antes. Depois foi descoberto que a página em inglês tinha várias notícias falsas.

Sites que fazem esse tipo de publicação apenas para ganhar audiência acabam mais cedo ou mais tarde caindo em descrédito.

Agora em 2016, a página que veiculou a notícia fantasiosa em português foi classificado pelo Google como um endereço eletrônico com risco de disseminar vírus.

#Curiosidade