A possível vida fora da Terra instiga, há centenas de anos, humanos a pesquisas com o único intuito, provar que suas especulações sobre os extraterrestres está correta. Muita gente até acha que, quem acredita nos ETs tem um "parafuso à solta", mas você sabia, por exemplo, que até mesmo cientistas da Nasa, a Agência Espacial Americana, dão certeza de que existe vida inteligente fora de nosso planeta? Esse é o caso do cientista Edgar Mitchell. No ano de 1971, ele fez parte da chamada 'Missão Apollo 14', que levou novamente seres humanos à lua. Ele foi o sexto homem a pisar no satélite da Terra.

A função de Edgar, nessa viagem pelo universo, foi bastante nobre.

Publicidade
Publicidade

Coube a ele pilotar a chamada "módulo lunar Antares". Nessa missão, os astronautas trouxeram dezenas de quilos de rocha para analisar. Mitchell trabalhou por muitos anos na Nasa. No entanto, mesmo após a aposentadoria, ele decidiu dedicar seu tempo a falar sobre o assunto que dedicou durante toda a vida. O instituto fundado por ele, o de 'Ciências Noéticas', estudava fenômenos nada convencionais da #Ciência, a função dos alienígenas no universo. O astronauta já é falecido. Ele nos deixou aos 85 anos, morrendo no estado da Flórida, nos Estados Unidos.

Antes de morrer, entretanto, ele deu um depoimento que indica que realmente existe vida inteligente em outros horizontes. Segundo o cientista, que já até pisou na lua, os alienígenas teriam feito uma visitinha aqui na terra no período da Guerra Fria, quando o planeta estava em pura tensão por conta dos atritos provocados pela segunda grande guerra.

Publicidade

Os ETs, de acordo com Mitchell, tinham um único propósito, evitar que o pior pudesse vir a acontecer. Os ETs estavam tentando nos impedir de ir à guerra e ajudar a criar a paz na Terra", explicou ele.

Os depoimentos do cientista repercutem até hoje nas redes sociais. Há grupos no Facebook que dizem que ele é uma espécie de guru do mundo da #Ufologia. Já outros não dão muito créditos à sua argumentação.

Veja abaixo a entrevista polêmica que o cientista cedeu antes da sua morte: