Graves acidentes automobilísticos acontecem a todo instante, e sempre que recebemos a notícia, a primeira pergunta que vem à mente costuma ser: será que morreu alguém?

Já quando se tratam de acidentes aéreos, que acontecem em um número bem menos expressivo, a lógica parece ser outra, pois são raros os sobreviventes nestes casos.

Na última semana, o mundo presenciou a tragédia envolvendo o avião que transportava vários integrantes da equipe da #Chapecoense e jornalistas, e que culminou com a morte de mais de 70 passageiros. Entretanto, houveram outros 6 que foram resgatados com vida, fato este que surpreendeu a todos devido à gravidade e circunstâncias do ocorrido.

Publicidade
Publicidade

Contudo, existem outras histórias de desastres aéreos que tiveram sobreviventes, com a triste coincidência de que também eram aeronaves que transportavam equipes desportivas.

Times de futebol

Em 1987, a aeronave que levava o time peruano Alianza de Lima para Pucalipa, caiu no mar e apenas o piloto sobreviveu. Todos os jogadores e a comissão técnica faleceram, além de 8 líderes de torcida, um árbitro e dois oficiais da marinha peruana.

No ano de 1958, o time do Manchester United sofreu um acidente quando regressava para Inglaterra. O avião foi abatido por uma tempestade de neve quando tentava decolar pela terceira vez do Aeroporto de Munique. Foram registradas 23 mortes, mas houveram 7 sobreviventes a esse trágico ocorrido.

O milagre dos Andes

No ano de 1972, o avião que transportava a equipe de rugby uruguaia para um jogo em Santiago no Chile, caiu entre as montanhas das Cordilheiras dos Andes, e durante 72 dias, 16 dos 45 passageiros a bordo surpreendentemente conseguiram sobreviver em meio ao gelo e temperaturas abaixo de zero.

Publicidade

A água que consumiam era obtida derretendo-se a neve, e com relação à comida, diante do desespero, optou-se por uma medida extrema: alimentar-se da carne dos mortos, mantida congelada sob a neve.

Depois de 59 dias nas montanhas, dois dos jovens saíram em busca de ajuda, e após 10 dias conseguiram ser socorridos. A volta para casa aconteceu em 22 de Dezembro de 1972, e desde então os sobreviventes se reúnem nesta data para celebrar a vida.

O fatídico episódio foi tema de um documentário chamado “Vivos”, de Frank Marshall, e dois livros “Os Sobreviventes – A Tragédia dos Andes”, do inglês Piers Paul Reed, e “A Sociedade da Neve”, do escritor uruguaio Pablo Vierci. Este último conta com relatos inéditos e pessoais dos sobreviventes.