A questão de quantos minutos dura uma relação sexual já inspirou títulos de livros de Paulo Coelho e Irving Wallace e assombra relacionamentos mundo afora. Agora, a ciência tem uma resposta.

O Dr. Brendan Zietsch, psicólogo da Universidade de Queensland, Austrália, pesquisou com fundos do Australian Research Council a vida sexual de casais heterossexuais que fazem #sexo com penetração. Entre os aspectos que ele estudou, está a duração do ato sexual.

Zietsch definiu a duração como o intervalo de tempo da penetração até a ejaculação. Os dados estudados pelo médico abrangiam a vida sexual de 500 casais de vários países. Durante cerca de um mês, casais utilizaram cronômetros para medir a duração de suas relações sexuais.

Publicidade
Publicidade

O cronômetro foi utilizado para evitar a subjetividade e a tendenciosidade que costumam ocorrer quando as pessoas são questionadas sobre o assunto algum tempo depois do fato. Além disso, fazer com que os casais acionem o cronômetro quando começam a penetração e pausá-lo depois que a ejaculação ocorre permite conseguir resultados mais precisos.

Os resultados foram incrivelmente variados, indo de 33 segundos a 44 minutos (80 vezes mais). A média dos casais pesquisados foi de 5,4 minutos.

Interessantemente, particularidades como membro masculino circuncisado ou uso de preservativos não afetaram significativamente a duração da relação sexual. A nacionalidade dos casais também não fez diferença, com uma exceção: os casais turcos tendem a ter relações mais curtas (3,7 minutos) do que a média mundial.

Publicidade

Um fator que efetivamente parece fazer diferença na duração do ato sexual é a idade dos membros do casal: quanto mais velho o casal, menos tempo durava a relação sexual.

Um estudo mais antigo, de 2008, realizado nos Estados Unidos, concluiu que o sexo “muito curto” leva de 1 a 2 minutos, a relação sexual “adequada” dura de 3 a 7 minutos e o ato sexual “desejável” dura entre 7 e 13 minutos. Atos mais longos foram considerados incomuns e excessivas.

Evidentemente, pesquisas deste tipo só podem fornecer estatísticas que dizem qual a duração média, quais são as durações mais comuns, etc. Cabe a cada casal achar a duração que seu desejo e prazer ditam e a cada membro do casal cabe manter a cabeça aberta e ser compreensivo.