Aquelas sensações estranhas que acontecem em nossos corpos quando estamos apaixonados é simplesmente magnífico não é mesmo? Certamente, em algum momento da sua viva você já deve ter sentido: aquele frio na bariga, o coração acelerado, aquele calor que sentimos quando estamos gostando de uma pessoa, são reações do nosso corpo estimuladas por nosso cérebro. Essas sensações, costumam ser inesquecíveis na vida das pessoas, quando nos sentimos assim, costumamos demonstrar felicidade facilmente, nossa autoestima se eleva, nos cuidamos mais, tudo em virtude desse sentimento que pode se tornar amor.

Com a tecnologia cada vez se torna mais fácil medir todas as atividades do cérebro, com isso, a neurociência tem feito descobertas surpreendentes a cerca dos relacionamentos amorosos.

Publicidade
Publicidade

E uma delas, é identificar as reações que nosso cérebro produz após uma paixão se transformar em amor.

Como identificar aquela sensação maravilhosa que costumamos chamar de amor? Já sabemos que o amor vem logo depois do sentimento de paixão, e os cientistas conseguiram identificar exatamente as duas diferenças através das atividades cerebrais.

Quando estamos apaixonados, uma parte do nosso cérebro conhecida como Área Tefmental Ventral, ligada ao sentimento do nosso prazer, motivação e recompensa, é a área responsável por ativar a produção de dopamina, um neurotransmissor capaz de estimular o sistema nervoso central. Na paixão, nos sentimos mais motivados, sentimos mais prazer em fazer as coisas do nosso dia a dia, pois sabemos que depois teremos uma recompensa, aquela pessoa que chegou, talvez, para ficar.

Publicidade

Algumas pessoas que já possuem um #Relacionamento de longos anos, e que aparentam ser felizes, apresentam uma maior atividade cerebral na região da Ínsula e do Giro do Sínculo Anterior, ou seja, área que está relacionada ao apego, ao aprendizado e à ligação emocional. No amor, nos sentimos seguros, aprendemos com o outro que está ao nosso lado, temos uma ligação de afeto e carinho.

Abaixo um vídeo explicando melhor o que acontece com o nosso cérebro quando uma paixão se torna amor. Confira:

#Comportamento