#sexo é bom, prazeroso, pode estreitar as ligações entre duas pessoas e, segundo pesquisas científicas recentes, possui efeitos benéficos para a saúde humana. Não significa, porém, que deva ser feito a qualquer hora. Definitivamente, existem ocasiões que não combinam com uma relação sexual e nas quais ele pode ser um fiasco e até acarretar consequências graves para o bem-estar dos envolvidos:

1 - Quando não se está com vontade

Sexo não é - pelo menos não deveria ser - uma obrigação, uma tarefa tediosa a ser concluída para finalmente poder ser riscada da lista de afazeres. Além de prazeroso, o sexo, no seu melhor, é uma celebração da intimidade e do bem querer.

Publicidade
Publicidade

Adaptando o velho ditado, quando um não quer, dois não fazem sexo. Se um dos dois não está no clima, melhor deixar para depois; tentar forçar a barra e fazer sexo contrariado(a), poderá não só estragar a transa como também envenenar emocionalmente o relacionamento.

2 - Se a mulher sente dores persistentes na região íntima

Dores persistentes na região íntima podem ser um sintoma de um problema de saúde grave. Por via das dúvidas, é melhor procurar um médico para que ele possa diagnosticar o problema.

3 - Há alterações nas regiões íntimas

Se um dos parceiros apresenta alguma alteração digna de nota na região íntima (odor, coceiras, inchaço, etc.), é melhor procurar orientação médica. Pode ser sinal de uma doença sexualmente transmissível, por exemplo, que deve ser tratada.

4 - O casal não tem camisinha

Mesmo que se trate de uma relação estável, o ideal é usar preservativo para prevenir a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, além da troca normal de microrganismos entre parceiros, que podem causar infecções urinárias.

Publicidade

5 - A mulher está sofrendo de constipação intestinal

Mulheres sofrendo de constipação intestinal grave podem sentir muita dor durante o sexo, especialmente em certas posições. O melhor é esperar melhorar da condição - inclusive procurando ajuda médica se ela persistir - antes de se engajar na prática de relações sexuais.