É muito comum, ao menos em certas fases da infância, que as crianças acabem sendo infectadas com piolhos, principalmente na escola ou nas brincadeiras com os colegas. Atualmente, o problema já é bem menor do que há décadas, quando era quase impossível passar por essa fase da vida sem ter que lidar com esse problema.

Curiosamente, um vídeo postado no Facebook tem chamado a atenção de internautas do mundo todo, mostrando justamente um homem, adulto, com uma infestação impressionante desse pequeno parasita, que se alimenta do sangue do couro cabeludo. São centenas, talvez milhares de piolhos, que infestam a cabeça do homem e que causam coceira apenas ao assistir.

Publicidade
Publicidade

Filmado em close, o material mostra claramente os bichinhos transitando tranquilamente pelos fios de cabelo, e é possível notar que a maior concentração está mais perto do couro cabeludo da vítima, que aparentemente parece não se importar muito com a verdadeira colônia de piolhos que vive em sua cabeça.

Parasita procria rápido e infestação ocorre em poucos dias

Cada #Piolho vive em média entre 30 e 40 dias, e já nos primeiros deles, a fêmea começa a colocar ovos conhecidos como lêndeas, que irão gerar novos piolhos muito rapidamente. Cada fêmea pode chegar a pôr cerca de 20 ovos diariamente, o que faz com que a população aumente com bastante rapidez.

Existem atualmente no mercado diversos produtos específicos para combater essa praga, o que diminuiu drasticamente a incidência desse tipo de parasitismo, muito frequente há algumas décadas.

Publicidade

Esses produtos combatem tanto os piolhos adultos como os ovos, fazendo com que a infestação seja rapidamente combatida e exterminada.

Um dos sintomas principais desse tipo de infestação é a coceira no couro cabeludo, causada pela mordida dos animaizinhos, o que acaba irritando a pele e causando pequenas infecções. Portanto, é sempre bom estar atento aos primeiros sinais para que o problema possa ser rapidamente tratado e assim evitar que se chegue ao agoniante resultado mostrado no vídeo. #Saúde