O nome dele é Emanuele Satolli, um fotógrafo italiano que, de um modo muito corajoso, decidiu dedicar alguns anos de sua vida para registrar fatos surpreendentes da vida de alguns viciados em ‘#krokodil’, a #droga mais letal que existe no #Mundo.

Durante sua pesquisa, Emanuele foi para Ekaterimburgo, cidade da Rússia, onde começou desde o ano de 2013 a retratar a vida de 10 viciados desta terrível droga. Depois de quatro anos de muito trabalho, 4 dessas pessoas simplesmente desapareceram, 3 delas morreram e os outros 3 vivem, atualmente, com graves problemas de saúde.

A droga Krokodil, ou ‘desmorfil’, como também é conhecida, é um tipo de substituta da heroína, pois é mais barata, já existe há mais de 16 anos e surgiu na Rússia.

Publicidade
Publicidade

Ela recebeu este nome por causar lesões na pele dos viciados que possuem aspectos esverdeados e escamosos, algo que é parecido com os couros dos crocodilos.

O resultado do material coletado pelo fotógrafo acabou impressionando muitas pessoas pelo mundo todo. Depois de terminar o trabalho e passar algum tempo longe da cidade onde trabalhou observando os viciados, Emanuele resolveu voltar para revê-los para saber como estavam. Mas tudo o que conseguiu encontrar, foram histórias ainda mais tristes e bizarras.

Ao jornal ‘Times’, o fotógrafo contou que não esperava encontrar todos vivos ao retornar, mas não imaginava que teriam tantos deles já mortos. Entre os viciados que sobreviveram e que foram encontrados por ele, um está em estado grave no hospital com tuberculose e uma moça, Oxana, está debilitada na cama devido aos efeitos que a droga causou em seus músculos.

Publicidade

“Sonhava com isso todas as noites...”, contou Oxana, se referindo ao Krokodil, droga esta que ela afirma ter conseguido se livrar, porém, de um modo um tanto tardio. Ela ainda contou que, no início, todos estavam usando a heroína, mas de uma hora para outra, ela ficou escassa e então o jeito foi recorrer a mais barata.

A região da pele da pessoa onde ela aplica a Krokodil, com um certo tempo, acaba ficando podre, mas, além disso, todos os tecidos do corpo, dos órgãos e do cérebro se deterioram. Isso ocorre porque o efeito dessa droga é 10 vezes mais forte e prejudicial do que o da heroína.

A droga mais letal do mundo é feita de uma combinação de cocaína, líquido de isqueiro, diluente de tinta, ácido clorídrico, benzina, fósforo vermelho e iodo. Enfim, uma bomba relógio implantada no corpo de quem a utiliza.