A cada estação, mais e mais cores de batons são lançadas para satisfazer a todos os gostos e com todos os modelos de textura e acabamento. O fato é que mulher adora um #Batom.

Há batons que prometem deixá-las com os lábios mais coloridos, brilhantes e macios. Outros prometem fazer a cor durar um dia inteiro. Não importa, eles estarão sempre nas bolsas das mulheres, ao alcance das mãos, para fazer um retoque, caso necessário. Muitas não saem de casa sem ele. Confira agora, as curiosidades sobre o batom, um item indispensável na vida das mulheres. #Curiosidades sobre o batom

  1. Na Grécia antiga, as mulheres que usavam batons eram consideradas prostitutas. As outras mulheres em geral não usavam maquiagem.
  2. Em 1998, uma pesquisa apontou que 32% das mulheres possuem mais de 20 cores de batons.
  3. Nos dias chuvosos e cinzentos são os que ocorrem a maiores vendas de batom.
  4. Sem querer, ao lamber os lábios, as mulheres ingerem resíduos de batom. Sendo assim, 5% dos batons podem parar direto no estômago da mulher, os outros 5% se encontram em xícaras e copos. Acabam parando ali quando a mulher vai tomar um chá, café, água ou até mesmo uma taça de vinho.
  5. A cera de abelha é usada na composição do batom. Ela é a responsável por manter a forma e fazer com que o batom deslize com mais facilidade pelos lábios. Outro composto é o óleo de rícino, responsável por manter o brilho e a durabilidade do produto.
  6. Os ricos do Império Romano usavam batons. A atitude era um sinal de status, e o batom era utilizado inclusive por homens.
  7. Peruca empoada, maquiagem e batom são alguns itens que George Washington usava.
  8. Sobre alegação de passar uma impressão errada, mulheres com menos de 44 anos foram proibidas de usar batom nos Estados Unidos no ano de 1915.
  9. Algumas pessoas são apaixonadas por batons, como é o caso da Elizabeth Taylor. Ela era apaixonada por seus lábios vermelhos, tanto que nos sets de filmes exigia que apenas ela usasse essa cor de batom.
  10. Em 2010, 80% das americanas usavam batom, o que representa 10% a mais que as mulheres que moram na França.