Muita gente já havia se espantado quando descobriu que o tomate não era um legume, mas sim uma fruta. A ciência, no entanto, tem uma surpresa para muitos. Outros alimentos que comemos na salada também são frutas, até mesmo a berinjela. Isso mesmo que o leitor acabou de saber. Na listinha da feira que pouca gente sabia, ainda temos o pepino e a abobrinha como frutas. No fim de ano, um alimento costuma aparecer, mais frequentemente, nas mesas dos brasileiros, o figo. Geralmente, ele é mais consumido em conserva ou no modo cristalizado.

No entanto, se você achava que figo era fruta, enganou-se feio. O pior de tudo é que ele também não é legume.

Publicidade
Publicidade

"Como assim?", você deve estar se perguntando. Pois é, o figo, na verdade, nada mais é que uma flor. Assim como a rosa ou a margarida, esse alimento é considerado uma flor. Pelo visto, muita gente deve ter errado a infância toda ao colocar certos itens na lista da a 'dedanha', aquele joguinho em que se brinca ao colocar nomes no papel e ver quem soma mais pontos por seus conhecimentos em variedades.

O site Vix, conhecido por abordar as mais variadas curiosidades, acabou fazendo uma reportagem especial sobre o assunto e explica o porquê do figo ser considerado uma flor e não uma fruta. Isso é explicado pela forma do desenvolvimento das figueiras. Ela não crescem da mesma maneira que as pessegueiras e macieiras e, esse é só o começo da explicação que mostra que o alimento é uma flor. De acordo com a ciência, quando o ser humano come o figo, ele, na verdade, consome o que é chamado de 'flor invertida'.

Publicidade

Esse tipo de flor tem o seu florescer interno e não externo, como costumamos ver em uma floricultura, por exemplo. É essa forma diferente de florescer que cria a aparência de pseudofruto.

E não para por aí. A figueira, quando tem a sua época de florescimento, gera flores, nas quais, cada uma gera um único fruto. Esse fruto é chamado de aquênio e não figo. O alimento que comemos é a soma desses aquênios, ou seja, ele é a união de vários frutos. Dá para acreditar? #Curiosidade