Uma foto postada em uma fanpage do Facebook tem chamado a atenção dos internautas, que com um pouco de criatividade, tornaram a postagem uma das mais curtidas e compartilhadas dos últimos dias. A foto mostra dois pepinos, deixados em uma sala de #Cinema, que, na descrição da foto, exibe o filme “50 tons mais escuros”, cujo conteúdo trata de fetiches sexuais.

Rapidamente, os internautas associaram uma coisa à outra, já que o formato fálico do legume sugere o seu uso, mas o que chama a atenção é por ser em um lugar público, uma sala de cinema. Compartilhada exaustivamente, a foto fez bastante sucesso, já que, a exemplo do filme, trata de um assunto ainda considerado tabu, como o fetiche e a sexualidade.

Publicidade
Publicidade

A postagem indica ainda que “já se viu levar de tudo para o cinema, até mesmo, bolo, mas que pepino é a primeira vez”, e o comentário da foto rendeu diversas reações diferentes, desde as mais criativas até pessoas que acreditam ser apenas uma montagem feita em um intervalo das sessões, justamente para causar polêmica e reações entre os internautas.

Filme é o segundo de uma trilogia sobre jogos sexuais

"50 tons mais escuros" é a sequência do filme lançado em 2015, "50 tons de cinza", e fala da conturbada relação entre um empresário e uma jovem que, depois de um relacionamento, tenta focar seus esforços na carreira profissional. Porém, eles se reencontram e voltam a reviver os jogos sexuais do primeiro filme, de maneira mais intensa.

Embora os livros que deram origem aos filmes sejam sucesso absoluto de vendas, os fãs da série se decepcionaram com as filmagens e a crítica especializada não poupou comentários negativos.

Publicidade

Em compensação, o filme vai muito bem nas bilheterias de todo o mundo, inclusive no Brasil, e tem uma legião fervorosa de admiradores, principalmente entre as mulheres.

Classificado como “erótico”, 50 tons mais escuros tem sido um dos assuntos mais comentados do país, desde seu lançamento, e as supostas fotos dos pepinos ajudam a divulgar ainda mais o filme e atrair a curiosidade de quem ainda não viu a película ou leu os livros. #2017