A #História da Antiga Grécia continua povoando o imaginário e os sonhos de muitas pessoas ao redor do mundo. Entretanto, essa influência não pára por aí, por exemplo, atualmente em uma das nações mais poderosas militarmente do planeta, se não a mais poderosa, os #EUA, existe o grupo militar conhecido como “SEALs”, que é composto pelos soldados de elite das operações especiais da Marinha daquele país, ocorrendo o detalhe de que tais forças especiais de combate e defesa contam ainda com 300 mergulhadores extremamente técnicos nas suas missões, ou como são denominados mais comumente: os "US Navy Seals".

A nova turma de formandos dos mergulhadores militares dos Estados Unidos, ao atingir o emblemático número de “300 formandos”, prestou uma homenagem aos antigos militares gregos, escolhendo o escudo símbolo de defesa do rei de Esparta, Leônidas I.

Publicidade
Publicidade

O nobre, seus heroicos 300 soldados e oficiais de Esparta e mais 700 soldados gregos de origem téspia, defenderam de corpo e alma o território da #Grécia diante da invasão de hordas persas.

O plágio em questão poderia até ser considerado um “roubo da história” da Grécia por parte dos Estados Unidos, mas, na realidade, acabou se transformando em algo que deixa a todos os defensores e admiradores da liberdade democrática dos gregos do passado, muito felizes e orgulhosos.

Por ocasião da formatura dos norte-americanos, foram gravados, na réplica de um escudo espartano em tamanho natural, os nomes dos 300 soldados e mais as palavras “Molon labe” em caracteres gregos antigos (μολὼν λαβέ). A expressão Molon Labe em tradução literal é "vem e toma" (de mim), que no contexto geral da história é mais um capítulo das inúmeras batalhas entre gregos e persas, quando o rei Leônidas as proferiu, encarando assim a ordem dos invasores Aquemênidas (persas) para que os helenos entregassem suas armas, no que ficou conhecido como a famosa “Batalha de Termópilas”.

Publicidade

Leônidas tratou de ser extremamente assertivo e de poucas palavras ao desafiar os milhões de combatentes do exército invasor. Em outras palavras, ele foi lacônico (ou de pouquíssimas palavras), o que era uma característica básica dos habitantes da Lacônia, onde se localizava Esparta, pois o regime militar reinante na época fazia com que os soldados obedecessem ordens, sem usarem de comportamento crítico. Enfim, desde tenra idade, os espartanos eram silenciosos, de poucas falas, mas de muita ação.

Por outro lado, nem mesmo o passar dos milênios conseguiu calar ou mesmo ofuscar o legado da Grécia em vários campos para a humanidade, como bem comprova a homenagem prestada pelos mergulhadores da Marinha norte-americana ao bravo Leônidas e seus 300 soldados pra sempre “imortais”.