A #traição é um tema muito delicado e complexo. Ela pode partir da maioria das pessoas, no entanto, de maneiras diferentes. Há uma grande porcentagem de pessoas que preferem permanecer na vida monogâmica e a traição para essas pessoas se torna algo totalmente abominável. Porém, e para aquele outro grupo de pessoas que traem descaradamente, há uma explicação para que eles façam isso, tanto homens quanto mulheres? A ciência diz que sim. Pesquisas, citadas nessa matéria, trazem as características dos perfis das pessoas traidoras e, em alguns casos, tentam traduzir as motivações pelas quais as pessoas se sentem impulsionadas a trair o parceiro ou a parceira, em um #Relacionamento sério.

Publicidade
Publicidade

Detalhe: é importante lembrar aos nossos leitores de que existem exceções para todo tipo de caso. Pesquisas que envolvem relacionamentos afetivos dificilmente conseguem acertar 100% do que afirmam, ou seja, a generalização é um erro e os tipos de pessoas citadas aqui podem ser fiéis, a depender das circunstâncias. Dito isso, confira abaixo, segundo pesquisas, os perfis de #homens que mais traem.

1 – Loiros

De acordo com uma pesquisa realizada pelo site “Cheaterville”, em uma pesquisa sobre traição feito pelo próprio site foi constatado que 42% dos homens loiros assumiram já ter traído as suas parceiras. Nessa mesma pesquisa, 11% dos morenos fizeram a mesma afirmação.

2 – Professores

De acordo com o site de encontros extraconjugais, “Ashley Madison”, que é um dos lugares na internet mais visitados, quando o assunto é relacionamento extraconjugal, a profissão que mais trai no mundo é a de professores.

Publicidade

3 – Os vaidosos e consumistas

Novamente, a “Ashley Madison” revelou que o perfil mais comum quando o assunto é traição, é o dos homens vaidosos e que consomem muito produto de beleza. O site explica que, apesar de muita gente desconfiar desse tipo de homem que observa muito a própria beleza – ou seja, os metrossexuais – na maioria das vezes, eles não são gays e conseguem sair com variadas mulheres.

O que você achou das pesquisas citadas acima? Deixe o seu comentário.