Ética e moral são princípios básicos que toda pessoa deve usar na vida. Existem diversos tipos de punições para quem não segue os valores e princípios básicos numa sociedade, tais como discriminação, violência física e verbal, crimes de diversas tipos, entre outras.

Porém, o que muitas pessoas não sabem é que existem leis para coisas estúpidas que muitos fazem todos os dias e que parecem ser normal. Ao redor do mundo há leis bizarras que não fazem sentido algum, mas são leis e devem ser seguidas ou poderá sofrer as consequências por não cumpri-las.

Imagina só ser preso por divulgar anúncios com erro básico de português? Convenhamos que isso é comum de vemos por aí, não é mesmo?

Confira algumas coisas estúpidas que pode levá-lo à #Prisão:

Vadiagem: seja um morador de rua ou aqueles que gostam de tirar um cochilo no banco da praça após o almoço, ou até mesmo sentar na grama para ler um livro, ouvir música ou somente pensar na vida, fique atento, pois você pode ser preso por vadiagem.

Publicidade
Publicidade

Em 2012, aqui no #Brasil, baseando na #lei de Contravenções Penais, decretada em 1941, o simples fato de você ser ou estar à toa é considerado vadiagem e a pena varia de 15 dias a três meses de prisão.

Anúncio com erro de português: você sabia que divulgar um anúncio com erro de português é crime? Em Minas Gerais, mais especificamente na cidade de Pouso Alegre, entrou em vigor no ano de 1997 uma lei que diz que todo aquele que divulgar faixas e banners com erros de português levará multa. O valores variam de R$ 100 a R$ 500.

Cigarro eletrônico: A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determinou que no Brasil essa prática é ilegal e a pessoa pode ser presa por isso. Vale ressaltar que outros tipos de cigarros, digamos, os mais convencionais, também são proibidos em locais fechados, mas nem sempre a lei é praticada.

Publicidade

Pirataria digital: se você costuma fazer downloads de músicas e até mesmo vídeos, saiba que essa é uma pratica totalmente ilegal, mesmo que esse seja para uso pessoal. Toda vez que alguém usa deste artifício fere os direitos do artista da obra.