Há evidentemente diferenças físicas entre as pessoas, produto da hereditariedade, do ambiente ou, mais provavelmente, de ambos os fatores. Algumas dessas diferenças entre os seres humanos são razoavelmente evidentes: altura, peso, cor da pele, cor dos cabelos, formato dos olhos e muitas outras prestam-se facilmente a comparações e contrastes. Outras diferenças físicas entre os seres humanos não são óbvias, a não ser em circunstâncias muito específicas: tipo sanguíneo, intolerância à lactose, etc. O formato do #umbigo, por sua vez, ocupa um lugar muito peculiar nesta divisão das qualidades físicas humanas. Ele fica em uma posição de destaque, central mesmo, no corpo humano, e é fácil diferenciar os umbigos profundos dos projetados para fora.

Publicidade
Publicidade

Contudo, devido aos hábitos de vestir da maior parte dos povos, a diferença fica oculta a maior parte do tempo.

Uma questão se impõe à curiosidade humana: por que há dois tipos bem diferentes de umbigo? Bom, o umbigo resulta da cicatrização depois de cortado o cordão umbilical, que nutre o bebê no ventre materno. Uma pontinha do cordão, porém, acaba sobrando e naturalmente cai depois de algum tempo. O umbigo projetado para a frente é causado por um pequeno excesso de tecido cicatrizante. O modo como os curativos são feitos não interfere de modo significativo no formato que o umbigo ganhará. O tipo mais comum de umbigo é o afundado.

Há uma pequena questão que também pode influir nas características do umbigo. Em alguns casos, os músculos do estômago da criança ainda não se fundiram.

Publicidade

Assim, um prolongamento do órgão pode escapar da fibra muscular e afetar a aparência do umbigo, formando o que se chama hérnia umbilical. Geralmente a hérnia desaparece no primeiro ano de vida da criança, mas, se a condição não desaparecer nos quatro anos iniciais de vida da pessoa, é necessário fazer uma intervenção cirúrgica que pode acabar alterando a aparência do umbigo.

O umbigo pode ter seu formato corrigido se o indivíduo estiver insatisfeito com o que lhe coube: nos Estados Unidos, por exemplo, mais de dois mil procedimentos corretivos são feitos anualmente.