Há alguns erros que, embora comuns, podem magoar, irritar ou chatear o companheiro (entenda-se pela palavra "companheiro" homem ou mulher conforme seja o caso) e ferir gravemente o relacionamento. Entre tantos erros que podem destruir um #Relacionamento, podem ser citados os quatro seguintes:

1 - Mergulhar no silêncio quando um assunto mais melindroso aparece

Mesmo sendo geralmente verdade que a palavra é de prata e o silêncio é de ouro, há ocasiões em que ele pode não ser bem-vindo. Uma delas é quando um assunto difícil surge e, em vez de enfrentá-lo de forma sensata, discutindo-o racionalmente e defendendo de forma equilibrada sua opinião, um dos parceiros refugia-se no silêncio ou tenta mudar de assunto, fingindo que não é com ele.

Publicidade
Publicidade

Nesse caso, o parceiro pode sentir-se desprezado, como se suas opiniões e preocupações não contassem.

2 - Ficar apontando os defeitos do parceiro

Todo mundo tem defeitos e ninguém gosta de ouvir sobre os seus próprios defeitos – é da natureza humana, infelizmente. Ficar falando constantemente dos defeitos do parceiro é um jeito de ir acumulando tensões e frustrações que mais cedo ou mais tarde provocarão a erupção de uma grande discussão.

3 - Tratar discussões como uma batalha ou uma competição, com direito a perdedor e vencedor

Em um relacionamento, discussões são - ou deveriam ser - meios para resolver problemas através da exposição e da consideração das opiniões dos envolvidos, não um pretexto para o casal engajar-se em uma competição que não levará a uma solução e ainda causará ressentimentos.

Publicidade

4 - Incapacidade de sentir/demonstrar admiração

Se um homem e uma mulher estão juntos, é porque veem algo bom, digno de admiração e elogios um no outro. E, no entanto, com o correr do relacionamento, "a proximidade causa desprezo", como diz um provérbio gringo. Os defeitos do parceiro ficam cada vez mais evidentes e vai ficando cada vez mais difícil demonstrar admiração pelo outro. É uma pena que seja assim porque ambos perdem muito ao se deixar cegar pela rotina a ponto de esquecer o que há de especial na pessoa que amam.