Para evitar uma #Gravidez não desejada, muitos casais lançam mão de métodos de controle de natalidade. Infelizmente, alguns erros podem frustrar a tentativa de evitar uma gestação. Entre esses erros, que devem ser evitados, estão os seis listados a seguir:

Publicidade

1 - Praticar o coito interrompido

O método é muito, muito pouco confiável.

Publicidade

Mesmo que consigam interromper o coito no momento certo – uma dificuldade por si só - e a ejaculação realmente aconteça fora da vagina, o pênis libera esperma durante toda a relação sexual, o que significa que, embora o risco de gravidez seja relativamente pequeno, ele continua existindo.

2 - Tomar ducha depois do ato sexual

Lavar a área vaginal com a ducha empurra os espermatozoides para o canal vaginal, o que aumenta as chances de que um deles fecunde o óvulo da mulher.

3 - Usar apenas um método contraceptivo

Todos métodos contraceptivos têm uma possibilidade (na melhor das hipóteses, bem pequena) de falhar. Por isso, o ideal é combinar tipos diferentes de métodos contraceptivos - pílula e preservativo, por exemplo.

4 - Fazer sexo durante a menstruação

Na verdade, não é tanto o transar quando a mulher está menstruada que é o problema, e sim o fato de não tomar nenhuma providência para evitar a gravidez confiando em que a mulher, por estar menstruada, não pode engravidar. O risco de gravidez existe, sim, mesmo durante a menstruação. É preciso ter em mente que os ciclos menstruais de algumas mulheres são irregulares e elas podem ovular - e, portanto, estar férteis - em qualquer período do mês..

Publicidade

5 - Fazer sexo em pé

Analogamente ao erro mencionado no item imediatamente anterior, o problema não é fazer sexo em pé, mas acreditar na ideia - muito disseminada - segundo a qual fazer sexo em pé não pode causar gravidez e dispensa o uso de algum método contraceptivo.

6 - Usar com muita frequência a pílula do dia seguinte

A pílula do dia seguinte deve ser usada como um último recurso. Usá-la frequentemente causa decréscimo de sua eficácia contraceptiva. Os especialistas recomendam que ela seja usada apenas uma vez por ano.