O russo Anatoly Moskvin, famoso por ser especialista em histórias de cemitérios, foi preso em 2011 em seu apartamento na cidade de Nizhny Novgorod, na Rússia. No início, a polícia queria apenas conversar com o historiador para pedir ajuda em um caso em que investigavam na cidade. Porém, ao chegarem à casa do homem, observaram um grande estoque de bonecas em tamanhos reais, todas colocadas nas prateleiras em um cômodo da casa. Achando as bonecas bastante estranhas, a polícia começou a investigar o caso. No início, Anatoly disse que era um grande colecionador de bonecas e que as guardava com muito carinho. A polícia, insatisfeita com a explicação, continuou a investigação e visitou o local mais vezes.

Publicidade
Publicidade

A polícia resolveu fazer uma investigação mais específica das bonecas. Ao entrarem no cômodo, sentiram um cheiro não muito agradável. Quando se aproximaram, perceberam que não eram apenas brinquedos, eles descobriram que eram corpos de crianças mumificados pelo historiador. Depois de a polícia questionar o russo, ele revelou que, há cerca de 10 anos, ia ao cemitério da cidade para escavar corpos das jovens mulheres recém-esterradas. Ele confessou que escavou mais de 150 corpos, porém nem toda mumificação era feita com sucesso. Assim, ele voltava alguns corpos para seus devidos túmulos. No total, 29 jovens foram mumificadas com sucesso e estavam dentro da casa. Anatoly revelou à polícia que para mumificar as vítimas ele esfregava sal com bicarbonato de sódio e depois as colocava para secar.

Publicidade

Caso o procedimento desse certo, ele as estufava com tecido.

Após a descoberta dos furtos dos corpos, muitas mães que perderam suas jovens filhas ficaram desesperadas e foram até o cemitério da cidade para verificar se suas filhas tinham sido uma das vítimas do maníaco.

O “colecionador de bonecas” também criava máscaras com formatos estranhos e aterrorizantes feitas de cera. Além disso, pintava as unhas das “bonecas” com esmalte, e para completar a loucura do historiador, ele tomava chá com elas todas as tardes e comemorava até os aniversários das jovens. Anatoly vestia as múmias com vestidos e inclusive comprava brinquedos para elas. A polícia investigava também a possibilidade do historiador manter uma vida sexual com suas múmias. Porém, ele deixou bem claro que fazia isso apenas para dar a oportunidade para as jovens terem uma vida eterna. Anatoly foi diagnosticado com esquizofrenia paranoica e foi levado para uma clínica de reabilitação. #aconteceu #Crime #Casos de polícia