Hoje em dia, é bem comum o nascimento de gêmeos, trigêmeos e até quíntuplos. Mas o que pouca gente sabe é quando e quem foram as crianças que nasceram da primeira gravidez múltipla já registrada.

A primeira gravidez de quíntuplos aconteceu em Ontário, no Canadá. Era 18 de maio de 1934, quando Elzire Dionne entrou em trabalho de parto pensando que estava gravida de gêmeos.

Mas ela estava enganada. Com a ajuda de duas parteiras e um médico, ela deu à luz a cinco garotinhas. Esse foi o primeiro caso de quíntuplos que sobreviveram. As meninas, que foram batizadas de Annette, Émilie, Yvonne, Cécile e Marie pesavam, juntas, quase 6kg.

Publicidade
Publicidade

Nasceram tão pequenas que cabiam na mão de um adulto, Elzire e seu marido achavam que os bebês não sobreviveriam. Após o parto, a mãe entrou em choque , mas, felizmente, não chegou a falecer e duas horas depois já estava bem.

As garotinhas passavam o dia deitadas num cesto à beira do fogão para receber o calor. O alimento era uma mistura de água, xarope de milho, rum e leite. Além de leite materno doado por outras mulheres da vizinhança que estavam amamentando.

O cunhado de Elzire informou a imprensa sobre o extraordinário nascimento de quíntuplas, e logo a notícia se espalhou. O vilarejo todo se mobilizou para ajudar a família.

A família começou a receber propostas para expor as meninas em troca de dinheiro. Agota conhecidas em todo o continente, foram chamadas de símbolo de força durante a grande depressão.

Publicidade

Alguns as chamavam de garotas de circo.

Olive, pai das meninas, que era um pobre fazendeiro, acabou cedendo a tantos pedidos e resolveu fechar negócio com a Feira Mundial de Chicago e concordou em exibir as filhas. Depois de assinar o contrato, ele se arrependeu, mas já era tarde.

Quando as meninas completaram quatro meses de vida, o governo de Ontário alegou que os país não tinham condições de cuidar das crianças e tomou a guarda legal de Olive e Elzire.

O governo se deu conta do quanto poderia lucrar com as quíntuplas, e começaram as usá-las como atração turística. A tutela do estado, que deveria durar dois anos, durou nove.

Multidões se formavam para ver as meninas, que eram vigiadas por policiais em um local cercado por arame farpado. Ainda que tenham recebido saúde e segurança, as meninas foram exploradas pelo governo que lucrou mais de 500 milhões de dólares canadenses com as elas que se tornaram mais famosas que as Cataratas do Niágara. #Canadá #Internacional #Polêmica