As brincadeiras e jogos fazem parte da #Infância. O que se diferencia é a forma como as crianças interagem entre si e os jogos utilizados por elas em determinados momentos.

Publicidade

As crianças nascidas neste século foram agraciadas pela tecnologia. O uso de celular, tablet, computador e videogames ocorre desde muito cedo. Mas o que elas não conhecem são as brincadeiras que faziam a alegria das crianças de antigamente.

Elas tinham mais liberdade para brincar nas ruas, por conta até mesmo de segurança.

Publicidade

Naquela época não havia essa onda de violência vista hoje. Entre outros aspectos ,muita coisa mudou e as brincadeiras de antigamente ficaram esquecidas.

A primeira era a cama de gato. Cruzavam um barbante nos dedos das mãos até não ter mais opção. Ficavam horas entrelaçando o barbante de todas as formas possíveis.

A segunda era o elástico, onde duas pessoas seguravam o elástico na cintura e outra ia pulando. A cada etapa uma altura e um jeito diferente de pular.

A terceira brincadeira era o jogo do bafo. As crianças faziam coleções de figurinhas e depois jogavam com os amigos. Depois, colocavam as figurinhas no chão e quem batesse e conseguisse virar o monte de figurinhas ou parte delas levava as figurinhas para casa. Era uma disputa para ver quem conseguia ficar com mais figurinhas.

A quarta era a brincadeira de fazer casas. As crianças construíam casa na árvore, cabana na sala, dependia do material que havia disponível.

A quinta era o jogo da verdade. A brincadeira era feita em grupo. Em uma roda, um faria uma pergunta para o outro, que escolheria entre dizer uma verdade ou aceitar um desafio, que era como beijar um amigo ou ter que dançar no meio da roda..

Publicidade

A sexta brincadeira era o bambolê. As crianças colocavam um arco na cintura e ficavam rebolando para não deixar cair.

A sétima era a amarelinha. Faziam no chão dez casas com os números de um a dez, além da casa do céu. O jogador teria que jogar uma pedra em uma casa e ir pulando nas outras casas.

A oitava era o jogo das Cinco Marias. Com pedrinhas nas mãos, a pessoa jogava para o alto e as seguravam o mais rápido possível.

Outra que fazia a alegria da garotada era a queimada. Se dividiam em dois grupos e um em cada lado tentava acertar o componente do outro com uma bola. Vencia o grupo que terminasse com mais jogadores.

Por último e o mais popular era o carrinho de rolimã. As crianças construíam o carrinho com resto de madeira e borracha. Após ficarem prontos, procuravam ladeiras, de preferência, para correr com o carrinho.

Muitos irão lembrar destas brincadeiras e poderão repeti-las com seus filhos ou netos para que a tradição não fique esquecida. #Brasil #Família