A instrução tem muitas utilidades para quem a adquire, e beneficia a sociedade de várias formas, inclusive economicamente. O que a instrução não parece conseguir fazer, contudo, é impedir que as pessoas traiam seus parceiros. Pesquisa divulgada pelo site VictoriaMilan, que ajuda a promover encontros extraconjugais e tem mais de cento e cinquenta mil usuários no Reino Unido, indicou que pessoas que completaram um curso superior têm mais chances de #trair seus parceiros do que pessoas com nível de escolaridade menor. O estudo foi feito com usuários do site provindos de todas as classes sociais do Reino Unido e que responderam a perguntas sobre suas vidas sexuais e suas escolaridades.

Publicidade
Publicidade

Aos números, então: dos voluntários que responderam às perguntas da empresa, 35% dos homens e 39% das mulheres com diploma de curso superior admitiram já ter traído. O dado correspondente a pessoas que abandonaram o ensino médio antes da conclusão foi de apenas 3%. Verdade seja dita, pessoas que completaram um doutorado, embora sejam relativamente raras na população geral, também não chegaram a se sair mal: apenas 2% desse grupo admitiu já ter traído um parceiro.

Aigurd Vedal, fundador e presidente do site, afirma que as pessoas com menor escolaridade tendem a ser mais fiéis a seus parceiros e teoriza que pessoas com curso superior têm mais tempo livre do que a classe trabalhadora, que é muito ocupada tentando fazer o mês caber no salário para ter casos extraconjugais.

Publicidade

Levando-se em conta que há uma certa relação entre escolaridade, empregos e classe social, a ideia tem sentido embora dizer com certeza se ela está correta provavelmente exigiria mais pesquisas. Entretanto, talvez seja o caso de adaptar a frase de Laocoonte, o sacerdote troiano a quem Virgílio atribuiu a frase “temos os gregos mesmo quando eles trazem presentes” e admitir que é caso de temer a #traição especialmente quando o parceiro traz consigo um diploma universitário.

Outro site dedicado a ajudar traições, o Gleeden, de origem francesa, fez uma pesquisa com oito mil de seus usuários e chegou a conclusões interessantes. Mais de três quintos das mulheres que participaram da pesquisa admitiram que já fantasiaram trair seu parceiro com o vizinho. A proporção de pessoas que fantasiam com algo assim é ainda maior entre os homens: 71%. E às vezes os sonhos se realizam, pois 31% das mulheres que responderam à pesquisa (ou seja, um pouco menos de um terço delas) admitiram já ter traído o parceiro com o cara ao lado. Não deixa de ser interessante que sites cujo objetivo maior é ganhar dinheiro promovendo a infidelidade sexual (o mais famoso exemplo desse nicho do empreendedorismo talvez seja o Ashley Madison) pareçam estar se tornando fornecedores de valiosos dados para a obtenção de insights sobre sexo, amor, gêneros, classes sociais e escolaridade.