Com a chegada de um novo bebê na família, os conselhos de parentes e amigos mais próximos, principalmente dos avós, têm bastante peso. Afinal, os pais não sabem lidar com todas as novidades trazidas pela recente experiência. Já os avós contam com uma bagagem de peso, capaz de amenizar qualquer situação complicada e de nervosismo.

Mas de acordo com uma recente pesquisa realizada por Andrew Adesman, chefe de Pediatria Comportamental e do Desenvolvimento no Cohen Children's Medical Center, em New Hyde Park, nos Estados Unidos, alguns desses 'conselhos de avó' podem oferecer grandes riscos aos #Bebês. É muito natural que os avós repitam, ao longo das gerações, atitudes que já foram até mesmo contestadas pelos médicos.

Publicidade
Publicidade

Porém, apesar das boas intenções, o resultado destas ações podem ser prejudiciais aos bebês.

Quando o bebê está com febre, por exemplo, a maioria dos avós dizem para os pais darem um banho gelado, que o problema certamente será resolvido. Mas não é assim. A exposição à água fria realmente pode diminuir a temperatura corporal, porém, ao mesmo tempo, pode resultar em uma hipotermia - quadro bem mais grave do que uma febre. Vale ressaltar que a hipotermia pode causar aumento da frequência cardíaca e diminuição dos vasos sanguíneos. O estudo diz que 44% dos avós aposta neste conselho.

Ainda segundo o estudo, 25% dos avós entrevistados disseram acreditar que os bebês devem dormir de bruços. Mas os conselhos médicos versam para uma realidade totalmente contrário: quando um bebê dorme de bruços, aumentam os riscos de engasgo e da Sids (Síndrome da Morte Súbita Infantil), conhecida popularmente como a ''morte do berço''.

Publicidade

Sabemos que não dá para fugir dos conselhos dos avós sem criar uma situação familiar delicada, ou até mesmo sem fragilizar a maternidade. Porém, é preciso fazer com que eles entendam que, de fato, a #Medicina avançou e nem sempre os conselhos de antigamente surtem bons efeitos. Uma boa maneira de amenizar a relação é envolver os avós no acompanhamento da criança como, por exemplo, idas ao pediatra. É interessante também participarem, em conjunto, de palestras e worskhops com bons profissionais, para que dúvidas sejam sanadas e novos conhecimentos sejam adquiridos.

E você, que é pai ou mãe, costuma seguir os conselhos oferecidos pelos avós da criança? Caso seja avó ou avô, costuma dar dicas para os pais ou mães dos bebês? Será que as dicas do tempo da vovó são mesmo um risco para os bebês? Discuta o assunto com seus amigos e familiares! #Maternidade