Já reparou nas expressões sérias da maioria das obras de #Arte em exposição nos museus ao redor do mundo?

Em visita à Holanda, o ilustrador londrino Olly Gibbs esteve em um dos mais famosos museus do mundo, o Rijksmuseum, localizado em Amsterdã. Ao observar as obras expostas no museu, Gibbs decidiu dar a elas uma expressão diferente daquelas tão sérias - algumas até tristes - estampadas em seu rostos.

Com auxílio do aplicativo FaceApp, Gibbs divulgou o resultado desta divertida experiência em seu Instagram.

A ideia do FaceApp é mais ou menos a mesma das lentes do Facebook e Snapchat; só que ao invés de colocar orelhas de cachorro ou nariz de palhaço nos retratos, o FaceApp tem por objetivo mapear e melhorar retratos, quase sempre adicionando um sorriso ao retratado.

Publicidade
Publicidade

Confira como ficaram algumas das obras de arte que Olly Gibbs registrou através das lentes do aplicativo de aprimoramento de fotos - algumas ficaram bem engraçadas:

Sobre o FaceApp

Como mencionado, o FaceApp tem o funcionamento semelhante ao dos filtros do Snapchat e Facebook, porém, de forma muito mais detalhista.

Publicidade

O aplicativo conta com diversas possibilidades de modificações fotográficas, tais como rejuvenescer ou envelhecer o(a) retratado(a), ou mostrar como este seria caso fosse do sexo oposto.

Um dos filtros mais eficientes coloca um sorriso no rosto do(a) retratado(a). Em alguns casos, essa modificação está tão bem feita que é quase impossível distinguir a foto original da foto editada - aplicativo permite aos usuários ver o antes e depois de suas fotos e publicá-las nas redes sociais.

No caso do filtro, o aplicativo coloca até mesmo rugas ao redor do sorriso, para que esse dê, de fato, a impressão de uma risada completa em todo o rosto.

O resultado realista é possível apenas por causa das chamadas redes neurais do app, um tipo de inteligência artificial através da qual o computador é capaz de analisar milhares - ou até milhões - de imagens de exemplo, e identificar traços familiares.

Em entrevista ao The Verge, o CEO da desenvolvedora que criou o aplicativo, Yaroslav Goncharov, disse que o FaceApp demorou mais para chegar ao Android porque a empresa tinha que contornar uma enorme demanda de atividade nos servidores depois do lançamento do app para iOS; ao invés de fazer as modificações na foto localmente, o aplicativo envia as imagens para a nuvem e recebe o arquivos editados.

O executivo disse ainda que os usuários podem esperar por novidades no aplicativo, como filtros para o foco e a iluminação da cena, por exemplo.

Publicidade

#Curiosidades #Tecnologia