A luta da #Mulher pelos seus direitos vem de muitas décadas, e cada vez mais essa luta vem sendo vitoriosa, no entanto, ainda existem muitas barreiras a serem ultrapassadas. A violência sexual contra a mulher é uma luta diária, além de ter que lidar com o assédio de homens desconhecidos, muitas têm que tomar cuidado dentro da própria casa com familiares próximos. É noticiado todos os dias que mulheres que são abusadas sexualmente dentro de suas casas pelos próprios pais, pessoas que deveriam zelar pela sua segurança.

O assunto abrange todas as classes sociais, por isso, é algo que deve ser cada vez mais discutido pelo poder público e privado.

Publicidade
Publicidade

O abuso contra a mulher não tem hora, lugar e muito menos idade.

No Brasil, o número de mulheres que sofre com isso todos os dias é alarmante, no entanto, quando olha-se o índice de estupro na África do Sul, é assustador.

A África do Sul tem o maior índice de estupro registrado em todo o #Mundo. A média é de 52 mil novos casos por ano.

A violência cometida nestes casos vai muito além de física. O trauma psicológico é o que mais atormenta as pessoas que passam por isso. Sentimento de impotência, nojo do próprio corpo e o medo de sair nas ruas sozinha, são apenas alguns dos traumas que as vítimas têm que enfrentar. Muitas casos são mantidos em sigilo pela própria vítima, pelo medo e vergonha de relatar isso para as pessoas, e até mesmo mantido em segredo quando o caso acontece dentro da própria família.

Publicidade

Ao perceber que o grau de violência sexual que as mulheres sofriam na África do Sul era muito grande, a médica Sonnet Ehlers, que nasceu no país, resolveu tomar providências. Em um de seus plantões, ela atendeu uma paciente que estava muito debilitada pelo mal que lhe haviam feito. A paciente tinha sido estuprada de uma forma tão terrível que a médica classificou a moça como uma "morta-viva". Suas partes íntimas estavam muito debilitadas sendo impossível salva-lá.

Quando a vítima começou a relatar o que havia acontecido com ela, a mesma usou as palavras "Se houvesse dentes lá em baixo, isso não teria acontecido". A partir disso, Sonnet teve a ideia de inventar uma camisinha com dentes. A invenção seria uma camisinha feminina com ganchos na parte interior que a médica nomeou como ‘Rape Axe’, ‘Machado contra o estupro'. Quando o homem introduzir sua parte genital na genitália feminina, ela ficaria presa, conseguindo retirar apenas com intervenção cirúrgica que levaria o meliante a mostrar o rosto e procurar uma unidade de saúde, podendo, assim, ser descoberto e preso. #sexo