Rafael Wlodarski, pesquisador na Universidade de Oxford, na Inglaterra, e seus colegas da mesma universidade e da Universidade Northumbria levaram a cabo um estudo cujo objetivo era analisar a possibilidade de haver relação entre os tamanhos dos dedos dos indivíduos e seu comportamento sexual, especialmente no que concerne à fidelidade ao parceiro. O estudo foi publicado no periódico científico Biology Letters, da Real Sociedade, uma das mais importantes e antigas organizações científicas do mundo.

Segundo a teoria vigente, a relação entre os comprimentos dos dedos anular e indicador depende de a quanta testosterona o indivíduo foi exposto durante a gestação no útero da mãe.

Publicidade
Publicidade

Quanto maior a concentração de testosterona com que o feto teve contato, maior a relação entre o comprimento do dedo anular em relação ao do dedo indicador. Não é à toa que essa proporção costuma ser maior entre os homens, que receberam mais testosterona que as mulheres.

Wlodarski e seus colegas pediram a cerca de 600 voluntários que respondessem um questionário sobre comportamentos e atitudes sexuais. Depois disso, os tamanhos dos dedos dos voluntários foram medidos. Interessantemente, foi possível encontrar uma relação entre os dois conjuntos de dados. Wlodarski disse que, em cada sexo, parece haver dois grupos diferentes, seguindo estratégias sexuais diferentes. Um desses grupos tende a permanecer fiel ao parceiro e o outro tende a ter mais de um parceiro sexual. Nisso, o ser humano é diferente dos mamíferos, que ou é monógama ou polígama enquanto humanos podem ser uma coisa ou outra dependendo do indivíduo em questão - e estudos sobre as origens do comportamento sexual humano poderiam ajudar a explicar essa excentricidade.

Publicidade

É preciso, contudo, deixar claro que, embora o ambiente uterino responsável pelos comprimentos dos dedos possa ter um papel considerável também na definição do comportamento sexual humano, ele não é o único. Segundo Wlodarski, é impossível prever alguma coisa só por esse fator e as diferenças e relações captadas no estudo só foram percebidas porque se estava a lidar com grupos humanos relativamente grandes e resultados estatísticos em vez de com uns poucos indivíduos. O comportamento humano é produto de uma complexa interação entre herança genética e influências ambientais, tais como o ambiente uterino e as experiências de vida dos indivíduos.

Interessantemente, uma pesquisa independente feita pela Universidade Stirling em 2011 sugere que quanto mais longo o dedo anular de um homem em relação a seu indicador, mais rico ele tende a ser. Os cientistas também concluíram que homens com dedos anulares compridos em relação ao indicador tendem a ser promíscuos, extrovertidos e tocar um instrumento musical - infelizmente, eles também têm mais chances de desenvolver doenças mentais, ser assassinados ou ir parar na cadeia. #traição #Relacionamento