A câmera, dizem, não mente (hoje com a abundância de ferramentas de edição, filtros e coisas do gênero, a frase parece cada vez mais uma relíquia de um tempo quase pré-histórico). Mas a verdade é que, mesmo quando a câmera é cem por cento honesta, ainda assim, os olhos podem mentir, ou melhor, a mente pode se enganar. A verdade é que o cérebro humano é - precisa ser - um observador de padrões. Por isso, não é de espantar que ele enxergue (e complete) padrões mesmo que isso acabe por levar a pessoa a imaginar algo completamente diferente da realidade. A seguir, estão estampadas algumas fotos, que podem parecer sujíssimas, mas, na verdade, dificilmente poderiam ser mais inocentes e talvez tenham algo a dizer sobre a pureza dos padrões de pensamento das pessoas que as veem:

1 - É só uma lâmpada, não um exemplo especialmente revelador de exame ginecológico que vazou.

Publicidade
Publicidade

2 - Não, a modelo não decidiu exibir suas partes íntimas como uma arrojada estratégia de vendas ou como uma implícita promessa de que, comprando o carro, o sujeito ganha mais do que um veículo para ir do ponto A ao ponto B, ganha também companhia com que se divertir no ponto B. Acontece que os bancos do carro têm cor parecida com a pele dela. Por isso, as pernas da senhorita parecem estar arreganhadas, quando na verdade estão juntinhas da maneira mais bem-comportada.

3 - Como dá para ver, não é um exemplo da bem conhecida elegância das formas femininas, é quando muito um tributo à capacidade masculina de fazer "zoeira", como diz a galera.

4 - Não, não há um órgão sexual masculino à mostra, pronto para entrar em ação depois que a fase da lambeção acabar. Muito menos está o tal órgão masculino se projetando de um corpo feminino.

Publicidade

Trata-se de uma mão, cheia de dedos, como convém a uma mão, e, como notará quem prestar a devida atenção, segurando firmemente um copo - o que a maior parte dos órgãos sexuais masculinos, por mais exímios que sejam seus donos nas artes amorosas, não costuma conseguir fazer.

5 - Pode parecer uma língua levando o prazer erótico-gustativo longe demais enquanto dá uma experimentadinha em um órgão sexual. Engano compreensível, é só alguém colocando um pouco de ketchup na salsicha.

6 - A mão enfiada nas profundezas do bolso do homem no centro da foto é dele mesmo (a posição e o relógio são dicas). O braço da senhorita que parece estar enfiando a mão no corpo dele, está na verdade atrás dela.

7 - É só um joelho, talvez particularmente pontudo e certamente destacado pelo modo como a luz natural incide nele. Um joelho, não um pênis escapando por debaixo das roupas da moça sorridente. Um joelho.

#imagens #mente poluída #duplo sentido