O #Homem de 59 anos suspeito de estuprar e matar a enteada de apenas 2 anos teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no último sábado (17). A informação é da própria delegada Juliana Fontes, que acompanha o caso e é titular da DEAM (Delegacia da Mulher da cidade de Paulo Afonso), localizada no norte do estado da Bahia, onde o crime aconteceu.

Na última sexta feira (16), o suspeito foi detido em flagrante. Por enquanto, ele está na delegacia da cidade sob custodia, mas será conduzido ainda essa semana para o Conjunto Penal da cidade.

De acordo com a delegada, o homem nega a violência. A polícia, contudo, não tem dúvidas de que foi ele o responsável pelo crime cometido.

Publicidade
Publicidade

Juliana Pontes afirmou que o laudo da necropsia confirmou que Maria Eduarda foi estuprada.

Durante a prisão do suspeito, os policiais encontraram no bolso de sua bermuda vários comprimidos conhecidos como estimulantes sexuais. Ainda de acordo com da DEAM, o homem nega ter usado esses comprimidos no dia em questão.

Conforme a titular, em depoimento, o suspeito afirmou que estava sozinho com a vítima e outros dois enteados, de 5 e 8 anos, dentro de casa, quando pegou Maria Eduarda para dar banho e deixou as outras crianças em outro cômodo da casa. "Ele disse foi dar banho e ela começou a gritar. No quarto, ela parou [desmaiou] e foi para o hospital, onde não resistiu", relatou a delegada.

De acordo com Juliana Fontes, a #criança teve cinco paradas cardíacas depois de chegar ao hospital da cidade.

Publicidade

A delegada ainda afirmou que a mãe aparenta ter alguns problemas psicológicos e demonstra distúrbios mentais. Durante todo o crime, ela estava no quintal colocando roupas no varal e só entrou na casa depois de ouvir os gritos da menina.

"Quando ela entrou no quarto a menina já estava desmaiada", disse a delegada.

Junto ao suspeito, a mãe de Maria Eduarda também foi levada à delegacia, mas foi liberada logo em seguida, depois de prestar todos os esclarecimentos.

De acordo com as investigações da polícia, a mãe da vítima e o suspeito estavam juntos há dois meses. Ele também é da cidade de Paulo Afonso, mas chegou a morar no Estado de Sergipe durante dois anos e havia retornado para a cidade havia pouco tempo. #2017