“Pai, as meninas vão sair aqui da Fe e vão pro baile. Eu posso ir junto com elas? (sic)”. Com essa pergunta simples, uma garota não imaginaria que fosse ficar tão apavorada com o sermão que receberia de seu pai e que viraria piada em sites de humor e nas redes sociais com a dramaticidade da conversa.

Os nomes da garota e de seu pai e as fotos de ambos não são exibidas no print, mas nem precisa saber a identidade para dar muita risada da conversa que viralizou nas redes sociais.

A garota da conversa que, muito provavelmente, não tem 18 anos, pediu ao pai para que a deixasse ir a um baile com as amigas depois de ter passado o dia na casa de uma delas.

Publicidade
Publicidade

O homem, bastante precavido, impediu que isso acontecesse.

Conversa

“Pai, as meninas vão sair aqui da Fe e vão pro baile. Eu posso ir junto com elas? (sic)”, pergunta ela. “Não, vem para casa, é melhor”, respondeu. “Mas, pai, todas vão”, prosseguiu a menina.

“Vem para casa, se acontece alguma coisa não tem pai de nenhuma delas por perto. Agradeça que eu te deixei passar o dia na casa dessa menina”, comentou o homem.

A menina ficou preocupada com a humilhação a que seria submetida ao dizer para as amigas que seu pai não a deixou ir ao baile. “Humilhação, por quê? Diga que você vai em outra festa. Elas não precisam saber onde, com quem, como, onde, como. Entendeu? (sic)”, disse o pai. “A vida é assim, elas também vivem mentindo pra você, pode acreditar em mim”, continuou.

“Tá, mais deixa eu ir hoje (sic)”, diz a garota, ainda esperançosa.

Publicidade

Ela não só sabia o que viria depois dessa simples frase. O pai faz uma sequência de dezenas de perguntas.

E se...

"E se nesse baile você acabar apanhando numa briga que você nem sabe onde começou? E se jogarem uma garrafa pra cima e acertar a sua cabeça, cortar seu rosto, você ficar toda deformada igual o Maradona? Você viu como ele ficou depois da plástica?", afirma o pai.

"E se nessa p*** desse baile aparecer um atirador com a cabeça cheia de crack e matar todo mundo? E se um grupo de maluco passar injetando sangue com Aids em vocês? Você quer morrer igual ao Cazuza?", diz para a filha que nem deve saber quem é o cantor Cazuza, morto no início da década de 1990 em decorrência da Aids.

"E se um grupo de estupradores fechar a porta do salão e estuprar vocês e depois matar? Pior, deixar vocês grávidas", prosseguiu o pai, com a única intenção de apavorar a filha.

Na sequência, ele fala da possibilidade de a garota engravidar de gêmeos, trigêmeos, quadrigêmeos, octogêmeos.

"Você não vai conseguir terminar nem o colegial, guria.

Publicidade

Vai ter que começar a trabalhar de diarista ou ajudante de pedreiro, porque você não tem experiência em nada, e nunca vai ter porque não vai poder terminar os estudos ou você pensa que eu vou te deixar se inscrever no Bolsa Família? Não, senhora, você vai ter que trabalhar para sustentar esses oito moleques que vão ca*** a casa toda (sic)", afirma o pai.

No fim das contas, a menina, provavelmente apavorada, desiste de ir ao baile. “Então venha para a casa, meu anjo”, diz o pai. “Daqui a pouco estou aí”, responde a filha, desanimada. “Te amo”, conclui o pai. #Relacionamentos #PaiseFilhos #Pai superprotetor