Às vezes, por força das circunstâncias ou de um conhecimento falho da situação, as pessoas tomam atitudes que acabam por ter resultados bastantes diferentes daqueles que elas pretendiam de fato alcançar. Por isso, pensar bem no que será feito e procurar se informar são medidas importantes, especialmente antes de decisões.

Um caso em que as pessoas tomam decisões erradas por falta do devido conhecimento é o das tentativas de evitar a concepção. Às vezes, achando estar tomando decisões que evitam a fecundação do óvulo pelo espermatozoide, na verdade, elas estão abrindo caminho para uma #gravidez não-planejada.

A seguir, sete atitudes que muitas pessoas não sabem que podem resultar em gravidez:

1. #relação sexual na água

Embora não seja um resultado muito provável, se o homem ejacular na água, os espermatozoides podem usá-la como meio para chegar até a vagina da mulher, que pode, sim, engravidar.

Publicidade
Publicidade

2. Usar certos remédios enquanto usa a pílula anticoncepcional

Remédios como antibióticos, antidepressivos, antifúngicos, anticonvulsivos e corticoides podem interferir no efeito contraceptivo da pílula anticoncepcional devido a seu efeito na concentração dos hormônios no sangue.

3. Praticar coito interrompido

Esse é um dos métodos anticoncepcionais mais falhos que existem. Além da dificuldade de o homem conseguir ejacular fora da vagina, as secreções liberadas pelo órgão sexual masculino durante o período de excitação também contêm espermatozoides vivos, um dos quais pode fecundar o óvulo e dar origem a uma gestação.

4. Fazer sexo de pé

Diferente so que muitos pensam, fazer sexo em pé não impede que a fecundação ocorra. Assim sendo, fazer sexo em pé não é bom motivo para deixar de lado o uso de métodos anticoncepcionais se existe a vontade de evitar uma gravidez.

Publicidade

5. Usar apenas um método anticoncepcional

Por falar em métodos anticoncepcionais, assim no plural, o ideal é combinar métodos anticoncepcionais que sejam compatíveis. Nenhum método é 100% sem possibilidade de falhas, por isso o ideal é usar mais de um (por exemplo, combinar preservativo - que também é importante para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis - e pílula anticoncepcional).

6. Usar com frequência a pílula do dia seguinte

A pílula do dia seguinte não deve usada com frequência. Seu uso deve ser emergencial. A cada dose tomada, menor seu efeito e maior a chance de falhar.