Todo mundo sabe que falar sobre #Doenças sexualmente transmissíveis é sempre algo muito sério, porém, ainda existem muitos tabus quanto a esse tema e por conta disso, existem muitas informações equivocadas que circulam por aí que enganam muita gente. Mas então, como se prevenir se você acredita nesses #mitos e como as pessoas estarão protegidas sendo enganadas dessa forma?

Veja a seguir, 7 mitos que alguns especialistas do site ‘Medical Daily’ resolveram desmistificar para assim as pessoas poderem se proteger do modo mais correto sabendo de todas as verdades sobre as DSTs. Confira:

1 - As pessoas não transmitem #DST através do sexo oral

Não acredite nessa afirmação, pois ela é 100% falsa! Mesmo que seja mais confortável fazer sexo oral de forma desprotegida, todos devem ter a noção de que o ato em si, pode aumentar o risco de transmissão de doenças.

Publicidade
Publicidade

E as chances são ainda maiores se o indivíduo em questão estiver com alguma ferida, corte na boca ou se estiver em período menstrual.

Por isso, até mesmo na hora de fazer sexo oral, as pessoas precisam usar preservativos.

2 - O anticoncepcional protege a mulher de doenças

Embora esses remédios sejam muito eficazes para evitar gravidez, eles não protegem a mulher de doenças sexualmente transmissíveis. Ou seja, de toda forma, o único método que evita, tanto uma gestação como também a transmissão de doenças, ainda é apenas o preservativo.

3 - Ter relações sexuais embaixo d’água evita o contágio de DST

Muitas pessoas afirmam isso acreditando no mito de que o cloro de piscinas ou outros lugares similares, funcionam como um tipo exterminador de bactérias ou vírus de doenças. Porém, é claro que elas estão enganadas, pois fazer sexo embaixo d’água é tão perigoso como quando é feito na cama ou em qualquer outro ambiente seco e por isso, deve ser feito com segurança, usando o preservativo sempre. [VIDEO]

4 - Coito interrompido evita gravidez e doenças

A maioria dos micro-organismos causadores de DST não dependem da ejaculação do homem para que sejam transmitidos.

Publicidade

Em alguns casos por exemplo, certas doenças podem passar de uma pessoa para a outra, apenas pelo contato da pele. Ou seja, assim como a gravidez e o contágio de doenças, a prática do coito interrompido não serve como método de proteção e não deve ser considerado.

5 - Só o sêmen é o responsável pela transmissão de DST

Outra mentira, pois assim como o sêmen, o sangue da pessoa também pode transmitir doenças, sendo que, em casos de herpes e sífilis por exemplo, o contágio é feito através do contato com a pele, pela boca, garganta ou pequenos cortes nessas regiões mais sensíveis.

6 - Sexo entre duas mulheres não transmite DST

As doenças sexualmente transmissíveis podem ter transmitidas independentemente do sexo da pessoa com quem a outra está mantendo relações íntimas. Mesmo que alguns desses contágios sejam mais difíceis de ocorrerem no contato entre duas mulheres, ainda assim, isso não exclui o fato de que elas podem estar correndo um certo risco.

7 - Depois dos 50 anos a pessoa não precisa se preocupar com doenças

Depois de uma certa idade, esse risco pode até diminuir, mas ele não é excluído da vida das pessoas e assim como um jovem pode pegar DST, um idoso também corre algum risco.

Publicidade

Em todo caso, o importante mesmo é estar sempre muito bem protegido, afinal de contas, a sua vida deve ser valorizada. Use sempre camisinha e seja feliz!