A prostituição é uma das profissões mais antigas do planeta. Para contratar o serviço de uma "mulher da vida", como também são chamadas algumas dessas profissionais, não é tão complicado. Em qualquer cidade e também por sites e aplicativos, isso já é possível. No entanto, na Nigéria, um país pobre da África, isso é ainda mais comum e fácil. Um dos locais em que se "vende" o corpo de mulheres ficou conhecido em todo o #Mundo por colocar essas profissionais à venda. O motivo é que por lá as mulheres cobram muito pouco para fazer o programa.

Anjas da Morte: as garotas de programa com HIV que cobram muito pouco por um programa

De acordo com informações de sites internacionais, essas mulheres são chamadas de 'Anjas da Morte'.

Publicidade
Publicidade

O motivo é claro, elas cobram apenas dois dólares ou sete reais por cada programa (em média de acordo com a cotação mais recente). Além disso, elas são soropositivas. Ou seja, essas mulheres convivem com o vírus do HIV. Os clientes que aceitam os serviços baratos dessas profissionais acabam se colocando em grande risco, o que explica o nome assustador que elas recebem. Ao terem relações com essas mulheres, eles botam a própria vida em risco.

Tratamento da Aids na África é precário e prostitutas, muitas vezes, estão em estado final da vida

Muitas pessoas na África convivem com o HIV. Estima-se que no continente milhões de pessoas tenham desenvolvido a Aids, já que não há prevenção suficiente. Além disso, pelo menos 80% das pessoas que tem o vírus convivem com a doença e não tem qualquer acesso ao tratamento.

Publicidade

Muitas mulheres acabam então recorrendo à prostituição, já que as coisas são bem complicadas de serem conquistadas na Nigéria. O renomado fotógrafo holandês Ton Koene visitou o bairro onde as 'Anjas da Morte' trabalham. Ele mostrou a realidade difícil com que essas mulheres convivem.

Gravidez em meio à precariedade e abuso contra crianças

Muitas pessoas, em todo o mundo, chegaram a ficar chocadas com as fotos que foram compartilhadas em vários sites mundo a fora. Além de terem o vírus HIV, muitas mulheres acabam engravidando e tendo o bebê ali mesmo no local. As crianças, muitas vezes, acabam também se prostituindo. Os homens vão ao local como se estivessem, literalmente, indo a um mercado. As mulheres ficam enfileiradas e as que mais interessam aos clientes são chamadas para os programas. A reportagem ajudou a expôr o problema para todo o mundo, mas muita coisa ainda precisa ser feita na região. #Curiosidades