Dormir na casa dos amigos é uma atividade comum e frequente na vida de #jovens. Mas o jovem Cody Dietz não imaginava que sua vida mudaria completamente a partir de um programa desse tipo.

Em 2008, aos 17 anos, Cody avisou a mãe que iria sair para encontrar-se com uns amigos. Como o menino demorou para retornar, os pais começaram a ligar e procurar por ele, mas não conseguiam contato. Depois de muitas tentativas, os pais receberam o telefonema de um dos amigos que estavam com Cody e a notícia foi chocante: o menino estava desacordado.

Sem saber exatamente o que havia acontecido, os pais correram com o jovem para o hospital mais próximo e aguardaram um diagnóstico a respeito do misterioso desmaio do menino.

Publicidade
Publicidade

Resultado dos exames chocou familiares e amigos de Cody

Depois de muito desespero e expectativa, eis que surge o diagnóstico médico: Cody havia sofrido um acidente vascular cerebral. Com isso, ele teve que passar por uma delicada cirurgia para remover parte do crânio e esticar a membrana que reveste o cérebro.

Segundo os médicos, o caso de Cody tinha apenas 20% de chances de sobrevivência e isso diminuía conforme o tempo passava. Chegaram a dizer que o caso dele era de quase 100% de chances de falecimento, devido à delicadeza dos procedimentos.

A mãe do rapaz relatou que, semanas antes, o filho já havia apresentado alguns sinais de que alguma coisa podia acontecer, mas que foram ignorados por todos. Ele teve, por exemplo, alguns espasmos e tremores involuntários e inexplicáveis.

Publicidade

Jovem perdeu os movimentos do lado direito

Cody passou várias semanas em coma, sem expressar nenhuma reação. Somente quando ele despertou foi que os médicos que o acompanhavam perceberam que o jovem havia perdido os movimentos do lado direito do corpo.

Iniciou-se então um longo processo de recuperação para que ele conseguisse recuperar o domínio sobre o seu próprio corpo. Durante esse período, o menino também não conseguia falar.

Após um mês da data do acidente vascular cerebral, ele voltou a falar, ainda com dificuldades. As primeiras palavras foram “eu te amo, mãe”, além de agradecer a equipe médica que salvou a sua vida.

Ainda levou um tempo para o rapaz receber alta e algumas semanas a mais para ele continuar o processo de reabilitação.

Doença pode acometer pessoas jovens também

Embora muitas pessoas associem o acidente vascular cerebral à idade avançada, Cody é uma prova de que esse problema pode acometer pessoas de qualquer idade.

Algumas autoridades de #Saúde alertam que o AVC em pessoas abaixo dos 30 anos é mais comum do que se imagina e que, por isso, os sintomas devem ser observados e, diante de qualquer situação atípica, um médico deve ser consultado.

#Curiosidade