As pessoas que bebem sabem bem que existem diferenças na maneira como alguém se embebeda, isso dependendo de cada situação, é claro, como por exemplo, dependendo do que a pessoa comeu antes, onde ela estava, qual era o seu estado emocional e etc.

Geralmente, as pessoas que bebem entre amigos ficam bêbadas bem mais rapidamente do que quando estão sozinhas ou entre menos pessoas, você sabia disso? Se não, saiba que existe um tipo de fator científico que explica bem por que isso acontece e que comprova bem essa hipótese. Confira:

O lagostim e a bebedeira

Como objeto principal de um estudo, uma equipe de estudantes da Universidade de Maryland escolheu o lagostim para explicar bem sobre os efeitos que o álcool pode surtir no organismo das pessoas.

Publicidade
Publicidade

O fundamento para quem tal #estudo fosse feito com o fruto do mar é que o crustáceo – que é parente da lagosta e do camarão – é uma espécie que é suscetível ao álcool, isso da mesma forma que os seres humanos são.

Através do experimento, os estudantes procuraram tentar descobrir o que diferencia a velocidade em que as pessoas ficam bêbadas em determinadas situações. Tal trabalho científico, depois de terminado, foi publicado no ‘Journal of Experimental Biology’.

Tal publicação relatou que durante a pesquisa foram oferecidas quantidades de álcool aos lagostins, essas equivalentes à quantidade encontrada em um tipo de cerveja forte.

Resultados impressionantes

Segundo o resultado do estudo, os crustáceos chegaram a se embriagar mais rapidamente em situações em que estavam juntos com outros lagostins, isso em comparação com os que estavam isolados.

Publicidade

Sendo assim, os estudantes passaram a acreditar que, de alguma forma, o ambiente social afeta as células nervosas dos frutos do mar, essas que respondem aos neurotransmissores como, por exemplo, a serotonina. Tal processo altera a forma como o álcool chega a causar mudanças no sistema nervoso.

Pelo que os pesquisadores puderam observar, os lagostins que estavam sozinhos demoraram 28 minutos para ficarem bêbados. Enquanto isso, os que estavam com dezenas de companheiros da mesma espécie em volta, demoraram apenas 20 minutos para que isso acontecesse.

Tal descoberta teve como objetivo principal buscar entender melhor por que as pessoas possuem reações diferentes quando bebem. Dessa forma, ficou mais fácil seguir para o próximo passo, que será descobrir por que algumas pessoas se tornam alcoólatras, enquanto outras são mais resistentes a isso. #bebida #Álcool