É curioso o fato que acontece quando pensamos demais em determinada coisa. Especificamente quando a buscamos de forma desesperada, como se necessitássemos biologicamente dela, às vezes parecendo até que corremos risco de vida se não a conseguirmos.

Isto se encaixa perfeitamente quando falamos do #Amor. Ficar sozinho, sem dúvida, não é tão simples e fácil como parece. A sensação de #incompletude que sentimos quando estamos sós, em alguns momentos dói e nos sufoca de forma brusca. Naturalmente, procuramos preencher este vazio de várias formas e uma delas é através da relação amorosa; #encontrar um novo parceiro ou uma nova parceira que preencha de uma vez por todas este incômodo interminável.

Publicidade
Publicidade

Por que nos sentimos incompletos?

O que explica de maneira determinada a curiosa sensação de incompletude que nos acompanha pela vida toda e que nunca termina? Por que ela existe e de onde ela vem? Para respondermos esta questão, precisamos analisar o momento do nosso nascimento.

Uma teoria que se aproxima bastante da explicação do porquê nos sentimos incompletos, é a do rompimento com a nossa mãe no exato momento em que nascemos. O útero materno, sem dúvida, nos parece ser o melhor lugar onde já habitamos. Podemos ilustrar tal lugar como um forte pertencimento e sensação de sermos duas pessoas em uma só com a nossa mãe. Aparentemente não nos faltava nada: o clima era perfeito, ambiente ideal e sensação de completude presente.

Todavia, quando nascemos há um trauma muito forte no momento do rompimento com a nossa mãe e parece que este trauma nos acompanha a vida toda e se manifesta pela sensação de vazio.

Publicidade

Por conseguinte, procuramos preencher de várias formas. Algumas pessoas tentam através do trabalho, outras através das drogas, do esporte, do dinheiro e assim por diante. E uma das formas de buscar o preenchimento interno e que iremos trabalhar neste artigo é a busca por um novo amor, na tentativa de se sentir completo ao iniciar uma relação.

A escassez repulsa nosso objeto de desejo

É aqui que iremos analisar o que acontece quando necessitamos avidamente de algo. Se buscamos intensamente um novo amor, uma nova relação afetiva, o que estaremos externalizando é a falta, justamente, de uma relação. Paradoxalmente, a nossa procura se reverte e se reafirma em falta.

Pensemos na seguinte analogia: quando alguém está com muita sede e desesperadamente procura água, este alguém externaliza e emana para fora de si tal necessidade. Quando procuramos desesperadamente por um novo amor, na tentativa de preencher nossa incompletude, estamos externalizando a sua falta, por outra maneira, emanamos a sua escassez, pois se o tivéssemos, não o procuraríamos.

Publicidade

Entretanto, ao contrário da água, que ao bebê-la saciamos nossa sede, a busca por um novo amor não irá "saciar" nosso vazio, pois a sensação de incompletude não será preenchida por uma outra pessoa, o que fará com que a sensação de buraco no estômago só aumente, resultando numa maior intensidade de procura e numa maior dificuldade em encontrar um parceiro.

Mudar o foco

Se impomos toda a nossa energia e pensamento na procura de um novo amor, e acreditamos que haverá felicidade caso o encontremos, isto paradoxalmente aumentará a nossa infelicidade e dificultará encontrarmos tal parceiro ou parceira. Isto se concretizará pelo fato de estarmos emanando para as outras pessoas que estamos carentes e infelizes com a nossa vida, o que causará repulsa e não a atração, que é o que desejamos .

É imprescindível que mudemos o foco, não adianta procurar um novo amor, porque quanto mais o procuramos, mais não o encontramos e mais infelizes estaremos.

A lei da atração acontece quando não pensamos de forma desesperada no que queremos. Quando buscamos demais algo, é porque não o temos.

É importante focar em alguma coisa ou atividade na qual gostemos e encontrar prazer. Estar entre os amigos e as pessoas que amamos, amenizará a sensação de incompletude, fazendo com que nos sintamos melhores e mais vivos.

Paradoxalmente, quanto mais nos sentirmos realizados e satisfeitos com nós mesmos e com a nossa própria vida, mais pessoas irão se sentir atraídas por nós.